PUBLICIDADE
Topo

Guilherme Ravache

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Faustão: vilanizar a Globo é caminho fácil, mas o apresentador errou

Faustão deve deixar a Globo sem se despedir dos espectadores (Reprodução: Globo) - Reprodução / Internet
Faustão deve deixar a Globo sem se despedir dos espectadores (Reprodução: Globo) Imagem: Reprodução / Internet
Guilherme Ravache

Guilherme Ravache é consultor digital. Jornalista com passagens pelas redações da Folha de S. Paulo, Revista Época e Editora Caras. Foi diretor de atendimento da Ideal H+K Strategies e gerente sênior de comunicação e marketing de relacionamento da Diageo.

Colunista do UOL

18/06/2021 11h57

Resumo da notícia

  • Ao vazar ativamente para a imprensa que estava de saída da Globo e indo para a Band, Faustão criou uma situação insustentável
  • Ao tornar público o fim de seu contrato com a Globo, o apresentador quebrou a relação de confiança que existia entre as partes
  • Possivelmente, ao divulgar sua ida para a Band, ideia de Faustão era acelerar sua saída da Globo
  • Licença médica de Faustão e sucesso de Tiago Leifert no horário deu confiança para a Globo acelerar os planos de mudança
  • Levar funcionários de sua equipe para a Band e mandar mensagens no ar para os futuros chefes piorou a situação de Faustão na emissora

A Globo, maior empresa de comunicação da América Latina, demite um funcionário icônico após 32 anos de trabalho impecável. Para piorar, isso acontece após ele retornar de uma breve licença médica. Difícil simpatizar com a Globo, principalmente sendo esse funcionário Faustão, o apresentador que definiu os domingos brasileiros e uma das figuras mais amadas do país.

Que a relação entre Faustão e a Globo já vinha desgastada há tempos não era segredo. Ao não aceitar uma eventual redução de seus pagamentos e menos espaço na grade, Faustão agiu como acreditava ser correto. A Globo, no papel de empregador, ofereceu o que acreditava ser o possível dentro de sua estratégia e possibilidades. Faustão não aceitou e ao não ver perspectivas de seguir na Globo, Faustão buscou nova oportunidade na Band. Até aqui, uma relação normal de trabalho.

O erro de Faustão foi ter vazado propositalmente para a imprensa sua saída da Globo e ter tornado público seu novo contrato com a Band. Como revelou, hoje, o colunista Daniel Castro, do Notícias da TV, que deu em primeira mão a ida de Faustão para a Band "A rede do plim-plim, que pretendia manter Faustão em sua linha de shows, ficou muito incomodada porque o apresentador vazou a informação, dando a honra do furo jornalístico a esse redator e ao colunista Flávio Ricco, do portal R7".

Mas preste atenção ao detalhe: Faustão vazou a informação. Ao vazar propositalmente para os jornalistas que estava indo para a Band, o apresentador quebrou a relação de confiança com a Globo e colocou a emissora em uma posição insustentável.

Coloque-se no lugar da Globo. Você tem um funcionário na sua equipe e vocês entram em um acordo para que ambas as partes terminem a relação de trabalho. Esse funcionário ainda ficará por oito meses na firma. Mas após essa reunião, o funcionário conta para todos que está de saída. E mais, esse funcionário deixa claro que irá trabalhar no seu concorrente direto e irá levar funcionários da sua empresa atual para a empresa concorrente.

Como você reagiria? Você deixaria esse funcionário permanecer mais oito meses beneficiando seu concorrente ou iria acelerar a saída dele? No final, foram 32 anos de relacionamento exemplar, mas ao contar para todos da mudança (e ativamente entrando em contato com a imprensa), o funcionário parece querer acelerar sua própria saída.

Ao revelar sua ida para a Band, Faustão quebrou a relação de confiança.

Também não ajudou o fato de durante o seu programa Faustão mandar mensagens e agradecimentos para os novos chefes na Band. Sim, a Globo rompeu o contrato com Faustão, mas qual gestor na mesma posição não teria feito o mesmo?

Possivelmente a Globo gostaria de ter cortado Faustão logo que a mudança para a Band foi tornada pública, mas talvez estivesse insegura sobre uma mudança radical no domingo. Mas quando o acaso fez Faustão tirar uma licença médica e o teste de Tiago Leifert foi bem-sucedido, a Globo ganhou a liberdade de fazer o que tinha de fazer.

Ao acelerar a saída de Faustão, a Globo fez o que qualquer empresa ou gestor faria após ser publicamente traído.

Siga a coluna no Twitter, Facebook e Instagram.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL