PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Fefito

Nego do Borel ainda tem alguma chance na carreira após tantos escândalos?

O funkeiro carioca Nego do Borel (FOTO: Reprodução) - Reprodução / Internet
O funkeiro carioca Nego do Borel (FOTO: Reprodução) Imagem: Reprodução / Internet
Fefito

Fernando Oliveira, conhecido como Fefito, é formado em jornalismo e pós-graduado em direção editorial. Teve passagens pela IstoÉ Gente, Diário de S. Paulo, iG, R7. Atuou como apresentador do Estação Plural, da TV Brasil, Mulheres, da TV Gazeta, e Morning Show, da Jovem Pan.

Colunista do UOL

14/01/2021 07h00

Uma das grandes promessas do funk nacional, Nego do Borel tem virado notícia nos últimos anos mais pelas polêmicas em que se envolve do que pela música que produz. Desde janeiro de 2019, quando foi acusado de transfobia por Luisa Marilac, o cantor tem sido centro de confusões.

Na época, a escritora e influenciadora o elogiou no Instagram - "Cada dia que passa você é mais gato, homem" - e ganhou uma resposta repleta de preconceito. "Você é um homem gato também. Parabéns, deve estar cheio de gatas", escreveu Nego.

Pegou tão mal que ele teve de pedir desculpas e até marcou um jantar com a transexual do meme dos bons drinks para limpar a própria imagem. Não funcionou, e ele perdeu o contrato com sua gravadora e com o empresário meses depois.

Agora, após um ano inteiro de acusações por parte dos ex-sogros, o funkeiro viu surgirem notícias de que traía a namorada, Duda Reis, de maneira consistente. Há prints circulando afirmando que ele tinha até mesmo um grupo no Facebook com "Borelis", mulheres com as quais se relacionava.

Nesta quarta-feira (13), a atriz disse que o ex-namorado a agrediu por diversas vezes e chegou a ameaçar sua família. "Eu era muito manipulada e tinha muito medo. Ele me ameaçava, dizia que eu brigava com cachorro grande e que iria mandar matar minha família", afirmou por meio do Instagram.

Para completar, Lisa Barcelos, amiga de Duda, contou que teve um encontro íntimo com Nego na casa em que ele vivia com a namorada, pelas costas dela —a influenciadora ainda chegou, pasmem, a comemorar o engajamento em suas redes sociais por causa da polêmica. Duda afirmou que fará boletim de ocorrência e pedirá uma medida protetiva contra o ex.

Obviamente que acusações tão sérias —muitas delas com testemunhas, segundo a atriz— causam grande dano à carreira de Nego do Borel. E há que se questionar se ainda existe alguma possibilidade de ele ter sucesso na carreira musical após tantos escândalos.

Alguns paralelos podem ser feitos. No auge da fama, em 2017, Naldo foi acusado pela mulher, Ellen Cardoso, de agressão. Ainda que tenha sido condenado a participar de um "grupo reflexivo sobre violência contra as mulheres" e perdoado meses depois pela parceira, nunca mais obteve o mesmo êxito, o que é plenamente compreensível.

Em 2016, Biel assediou uma repórter e deixou o país após perder contrato com a gravadora. Depois, foi acusado de agressão pela namorada, Duda Castro, de calote por um amigo e de causar um acidente e não prestar socorro por um motoqueiro. Acabou em "A Fazenda" e tenta agora retomar a carreira de cantor. Durante o confinamento, culpou uma assessora e não a si próprio pelo assédio, mostrando que não aprendeu nada.

Por mais curta que seja a memória dos brasileiros, parece muito improvável que Nego do Borel consiga repetir o breve sucesso que já obteve com sua carreira. Não deve haver tolerância para homens acusados de agressão. O mundo artístico não precisa desse tipo de exemplo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL