PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Fefito

Faltou às emissoras dar voz a apresentadores negros para falar de protestos

Monalisa Perrone em cobertura de protesto contra racismo no "Expresso CNN" - Reprodução / Internet
Monalisa Perrone em cobertura de protesto contra racismo no "Expresso CNN" Imagem: Reprodução / Internet
Conteúdo exclusivo para assinantes
Fefito

Fernando Oliveira, conhecido como Fefito, é formado em jornalismo e pós-graduado em direção editorial. Teve passagens pela IstoÉ Gente, Diário de S. Paulo, iG, R7. Atuou como apresentador do Estação Plural, da TV Brasil, Mulheres, da TV Gazeta, e Morning Show, da Jovem Pan.

Colunista do UOL

21/11/2020 14h42

Resumo da notícia

  • No Dia da Consciência Negra, Mnalisa Perrone e Márcio Gomes chamaram manifestantes por morte de homem negro de "vândalos"
  • Na Globo, Ana Maria Braga e Patrícia Poeta foram criticadas por discursos que deslegitimam luta do movimento negro
  • Faltou à CNN e Globo convocarem seus jornalistas negros para fazer análise dos protestos

Em pleno Dia da Consciência Negra, o país foi tomado por protestos motivados pela morte de morte de João Alberto Silveira Freitas, espancado até a morte por dois segurança de uma unidade do Carrefour em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Não só os vídeos eram completamente chocantes, como o noticiário ganhou ares de surrealidade ao destacar declarações como a do vice-presidente, Hamilton Mourão, afirmando que não há racismo no Brasil, ou de uma senhora se queixando que não pôde terminar suas comprar por causa dos manifestantes.

Chamou mais atenção ainda a falta de entendimento de alguns âncoras ao classificar as pessoas envolvidas em protesto como "vândalos". Na CNN Brasil, um tweet chegou a ser apagado das redes sociais da emissora de notícias ao classificar o protesto como vandalismo, mas o termo continuou a ser usado no ar por Márcio Gomes e Monalisa Perrone. Em dado momento, uma bancada formada apenas por comentaristas brancos - Fernando Molica, Thais Arbek e Caio Junqueira - se uniu à jornalista para discutir o assunto.

No "É De Casa" deste sábado, Patricia Poeta usou um discurso sobre "união" para criticar o fato de uma loja de supermercado ter sido destruída, o que deixou Manoel Soares e Thelma Assis - assim como muitos espectadores - constrangidos.

Na sexta-feira, durante o "Mais Você", Ana Maria Braga disse o seguinte: "A gente não precisa de um dia da consciência negra, branca, parda, amarela, albina. A gente precisa de 365 dias de consciência humana". Citou ainda Morgan Freeman, que já mudou de ideia sobre declarações dadas em uma antiga entrevista. Com razão, foi criticada. Não só a frase deslegitima a busca por equanimidade de direitos entre negros e brancos, como apaga a necessidade de refletir sobre o racismo tão forte em nossa sociedade.

Há um ponto em comum entre essas situações constrangedoras: todos os apresentadores que estiveram à frente da narrativa são brancos. Não digo no caso de Ana Maria Braga, que tem um programa com características próprias, mas, pensando no jornalismo, não seria o caso de CNN e Globo terem convocado âncoras negros para oferecer um olhar com maior empatia e propriedade sobre o assunto? Ver alguém, na televisão, traçar uma falsa equivalência entre um homem brutalmente espancado até a morte e gôndolas de supermercado serem destruídas não contribui em nada para o debate.

A reação de manifestantes a um crime bárbaro precisa ser discutida com maior responsabilidade. E, no Dia da Consciência Negra, faltou dar a voz a apresentadores negros.