PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Justus, sobre adiamento de 'O Aprendiz': 'É preciso respeitar a pandemia'

Roberto Justus apresenta "O Aprendiz", na Band - (Band / Divulgação)
Roberto Justus apresenta 'O Aprendiz', na Band Imagem: (Band / Divulgação)
Fefito

Fernando Oliveira, conhecido como Fefito, é formado em jornalismo e pós-graduado em direção editorial. Teve passagens pela IstoÉ Gente, Diário de S. Paulo, iG, R7. Atuou como apresentador do Estação Plural, da TV Brasil, Mulheres, da TV Gazeta, e Morning Show, da Jovem Pan.

Colunista do UOL

14/08/2020 15h23

Resumo da notícia

  • Programa estava viabilizado comercialmente e seguirá com anunciantes para março de 2021
  • Apresentador afirma que é preciso respeitar o momento da pandemia no Brasil e tentou manter estreia para este ano
  • Programa dará um prêmio de R$ 1 milhão e contrato de trabalho de um ano com salário de R$ 10 mil

Por meio de comunicado, Band e Roberto Justus confirmaram o adiamento de "O Aprendiz" por causa da pandemia. Agora, o reality show irá ao ar em março de 2021. Inicialmente, novos protocolos de segurança foram pensados, mas a direção optou por realizar as gravações com mais segurança. "Em função da extensão temporal da pandemia que assola o mundo, e consequentes impactos na vida de todos e para respeitar o momento e a saúde da população, dos participantes, da produção, do elenco, e dos envolvidos resolveram adiar a estreia do programa", diz a nota.

O texto afirma ainda que "o formato do 'Aprendiz' tem muitas provas externas e, por mais que todas as normas de segurança e protocolos sejam tomados, acabam envolvendo muitas pessoas que não fazem parte diretamente da produção e consequentemente os riscos inviabilizam o bom andamento do programa".

A coluna apurou que comercialmente o programa já estava inteiramente vendido, com seis anunciantes fechados. Todos devem acompanhar o projeto para o ano que vem.

Procurado, Justus acha que o adiamento foi uma decisão acertada. "Não dá para fazer sala de reunião de máscara, com todos sentados e próximos. Todos os participantes teriam atividades externas e não teriam contato só entre eles, porque chegamos à conclusão de que não dava para fazer tudo internamente. Seguramos até o último segundo, mas achamos por bem respeitar esse momento de pandemia".

Serão ao todo 16 participantes, todos anônimos, que disputarão um prêmio de R$ 1 milhão e um emprego em uma das empresas investimento e mercado financeiro do apresentador com salário de R$ 10 mil, por mês por um ano.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL