PUBLICIDADE
Topo

Baixo nível dos candidatos garante a melhor temporada do Masterchef

Paola Carosella elucubra no Masterchef - Reprodução/Band
Paola Carosella elucubra no Masterchef Imagem: Reprodução/Band
Chico Barney

Entusiasta e divulgador da cultura muito popular. Escreve sobre os intrigantes fenômenos da TV e da internet desde 2002.

Colunista do UOL

12/08/2020 12h14

Não tem nada mais interessante acontecendo na televisão mundial atualmente do que a sétima temporada do Masterchef Brasil na Band. Depois de muitos anos, o programa voltou a ter um frescor que havia perdido nas cansativas incursões recentes, com episódios demais e dramas demais.

Como venho frisando neste espaço, a decisão de fazer episódios autocontidos, com o elenco mudando semanalmente, deu o maior problema para a equipe responsável pela escalação dos participantes: não existe gente suficientemente boa na quantidade necessária para preencher as oito vagas de cada terça-feira.

Com isso, é como se estivéssemos presos na etapa inicial do Ídolos (ou American Idol, para os versados em TV a cabo). Muita gente bizarra sem nenhuma aptidão para a culinária, mas com muito talento para o entretenimento.

Além da jovem arquiteta que se inscreveu no intuito de fazer um acerto de contas com o pai e um coach que tentou empanar o frango sem ovo, outros dois cidadãos se destacaram no episódio desta semana.

Jéssica, que reservou toda sua autoestima para entrar de boné no Masterchef, mas sobrou quase nada para efetuar o desafio, um bolo de milho. Toda atrapalhada, não conseguiu dar vazão aos seus desejos por conta de um ódio por doces.

E Arley, um fera que havia sido eliminado em uma etapa preliminar no ano passado por conta de uma profunda dificuldade para descascar abacaxi. Não foi tão mal dessa vez, mas o trágico histórico garantiu muito bullying por parte dos jurados.

O simples fato da produção ter dado uma nova chance para alguém que não foi capaz de descascar um abacaxi com a destreza mínima necessária para disputar o programa já indica como está sendo inglória a tarefa de montar esses elencos. Sorte nossa.

Voltamos a qualquer momento com novas informações.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL