PUBLICIDADE
Topo

Com belas paisagens, Malta é uma ilha aconchegante e pouco conhecida

Lucila Runnacles

Do UOL, em Malta

26/02/2013 08h07

Pequena, surpreendente e deliciosa: assim é Malta. Essa ilha mediterrânea geralmente não está no topo da lista dos viajantes, mas quem procura temperaturas agradáveis, belas paisagens, história, cultura e mar azul deveria considerar visitar o destino.

A distância de 90 km da Sicília e 290 km do norte da África faz com que o clima em Malta seja delicioso. O verão é quente, se estende de maio a outubro, e o inverno não é rigoroso. De dezembro a fevereiro as temperaturas são agradáveis e oscilam entre 15°C e 20°C.

Apesar de ser pequena, com 400 mil habitantes e uma área de cerca de 240 km², Malta tem muitos atrativos. O país é formado por três ilhas (Malta, Gozo e a quase desabitada Comino) e tem muita história. Não sem razão, o território passou pelas mãos de civilizações tão diferentes como fenícios, romanos, árabes, entre muitas outras. Os últimos foram os britânicos que ficaram lá por cerca de 150 anos. Além do seu legado no idioma, eles também deixaram suas marcas no trânsito. Em Malta todos dirigem pela esquerda, como no Reino Unido.

Outro aspecto curioso é o idioma, que à primeira vista soa raro aos ouvidos. O maltês deriva de dialetos árabes e teve forte influência inglesa e italiana. Mas não se assuste com isso, porque ali o inglês também é língua oficial e quase todo mundo o fala fluentemente, além do italiano, que também é muito falado no país.

Ao chegar na ilha e fácil perceber que o turismo é a principal fonte de renda dessa pequena nação. Quem visita o local pode escolher diversos tipos de acomodação: desde modestos albergues, hotéis de três e quatro estrelas, até diversos resorts e luxuosos hotéis de cinco estrelas. Além disso, por enquanto, os preços das acomodações e alimentação são bastante acessíveis e mais em conta do que em outros países vizinhos.

Capital
Com apenas seis mil habitantes, 12 ruas paralelas e sete perpendiculares, Valletta é a capital do país e também o coração comercial da ilha. A cidade fortificada é uma das menores capitais da Europa. A pequena cidade reúne uma catedral, alguns museus interessantes, centenas de lojas e uma vista imperdível a partir do Jardim Barraka. Dali é possível avistar fortalezas, bastiões e o principal porto do país. Não é à toa que a cidade foi declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Outro lugar de destaque em Malta é a pitoresca Mdina, também conhecida como "cidade do silêncio". Um passeio pelas estreitas ruas desse pequeno local que tem apenas 300 habitantes é altamente recomendável. Entre lojas de suvenir e estreitas ruas medievais, o viajante pode passear tranquilamente até chegar ao fim da cidade, onde vai encontrar um descampado com uma interessante vista panorâmica da região.

Já na parte sul da ilha, pequenos barcos dão um colorido especial a Marsaxlokk, uma pequena vila de pescadores. Com vários restaurantes em frente a uma baía, o lugar é famoso por oferecer um cardápio variado de peixe fresco e um ambiente relaxante. Outro atrativo é o animado mercado que aos domingos dá as boas-vindas aos visitantes desse pitoresco local.

  • Lucila Runnacles/UOL

    Ferry que cruza de Malta a Gozo. A travessia dura apenas 30 minutos

Em contrapartida, o agito de Malta se concentra em Sant Julian's e Paceville. Esses dois lugares são famosos pelo grande número de bares, clubs, cassinos e hotéis. Durante a noite, os estabelecimentos ficam lotados principalmente de jovens e viajantes.

Ainda na parte sul, a Blue Grotto (Gruta Azul) é outra atração turística. Além de ser ponto turístico para praticantes de mergulho, a cor do mar nessa região é de um azul bem intenso que encanta até os que não entram na água. A bordo de uma pequena lancha os viajantes podem visitar a gruta azul, que leva esse nome por conta da cor da água que reflete em suas pedras.

Além das belezas naturais, Malta também é muito procurada por pessoas que querem aprender inglês. Preços mais em conta do que nas escolas inglesas e clima muito mais agradável do que no Reino Unido fazem de Malta um point para estudantes internacionais durante o verão. A ilha conta com dezenas de escolas espalhadas pelo seu território, principalmente na capital.

Circulando
Em Malta tudo fica perto. Para conhecer o país, o viajante pode alugar um carro ou pegar os tradicionais ônibus turísticos de dois andares. As duas companhias que fazem esse serviço oferecem dois bons trajetos pela ilha: o norte e o sul. Se optar por alugar um carro, não esqueça que em Malta se dirige na mão contrária.

Os ônibus que circulam em Malta são por si só uma atração turística. Pintados de amarelo e laranja, esses veículos vintage dão um colorido especial nas estradas. Porém o transporte público não é muito recomendável. Apesar de ser barato, todas as linhas partem de Valletta. Ou seja, toda vez que o turista quiser conhecer qualquer lugar deve ir até a capital primeiro. Os ônibus são identificados por números e para saber o destino de cada linha o melhor é perguntar antes de embarcar.

Gastronomia
Como não podia ser diferente, a cozinha maltesa tem forte influência mediterrânea. Massa, peixe fresco, azeite de oliva, azeitona e queijo estão sempre presentes nas mesas do país.

Um dos pratos típicos da ilha é a carne de coelho cozida com vinho e acompanhada de batatas. Além disso, os pastizzi (pequenos salgados folheados) de queijo ou ervilha e outros folhados também são famosos por lá. Se gostar de queijos, prove um de cabra com pimenta - o produto tem cheiro forte mas é muito saboroso.

As bebidas também ganham destaque na culinária maltesa. Uma iguaria imperdível é o Bajtra, um licor feito do fruto do cacto. A bebida tem um tom rosado e um sabor doce e intenso. Outra bebida típica é o refrigerante Kinnie. Feito com laranja amarga e ervas, esse é um dos orgulhos dos malteses. E para os amantes da cerveja, não deixem de provar a maltesa Cisk.

  • Lucila Runnacles/UOL

    A praia de Ramla é uma das mais famosas de Gozo por causa da sua areia dourada e macia

Gozo
A outra ilha que faz parte do arquipélago Maltês é Gozo, que está a apenas 30 minutos de ferry de Malta. Mais verde e menos urbanizada, Gozo é uma boa opção para um passeio de um dia.

Essa ilha tem cerca de 70 km² e 30 mil habitantes que são muito simpáticos, prestativos e orgulhosos da sua terra. Para quem gosta de ruínas arqueológicas e história, em Gozo está o Templo de Ggantija (em maltês significa gigante). Estudiosos acreditam que esse templo neolítico foi construído entre os anos de 3.600 e 3.200 a.C. e que o local foi habitado por gigantes por conta do tamanho das suas rochas.

Para quem busca belas paisagens marítimas, a praia de Ramla é uma das mais famosas da ilha graças a sua areia dourada e macia. Próximo dali também está a Calipso Cave (Caverna Calipso). Muitos acreditam que foi nessa caverna que a ninfa Calipso manteve Ulisses preso por vários anos, como narra o poema "A Odisséia", do grego Homero.

Outro cartão postal de Gozo é a Azure Window (Janela Azul), um grande bloco de pedra de 100 metros de altura que graças a erosão do vento e do mar ganhou um arco natural no meio da rocha. Outro curioso atrativo são as salinas que compõem uma bela paisagem junto ao mar. Centenas delas se espalham próximas a Marsalforn, onde até hoje a extração de sal se faz de forma manual nessa localidade.

A capital de Gozo é a pequena Victoria que tem uma belíssima cidadela no topo da cidade. Além das belezas naturais e da culinária, as duas ilhas também contam com um bonito artesanato. Muitas peças de decoração são de vidro e as jóias e bijuterias são feitas com a técnica de filigrana, um trabalho minucioso feito com minúsculos fios de prata ou ouro. Em Malta, o centro de artesanato Ta'Qali reúne pequenas lojas e ateliês que vendem diversos suvenires para os turistas.

Com tantas atrações naturais, boa comida e gente simpática, quem visitar a ainda desconhecida Malta não se arrependerá. Não é à toa que esse arquipélago já foi cenário de filmes famosos como "O Gladiador",  "Tróia", "O Conde de Montecristo", entre outros.