Avião escapa de mergulho fatal por só 228 metros: 'A segundos do desastre'

Um voo da United Airlines de Maui, no estado americano do Havaí, até São Francisco, na Califórnia, escapou de um mergulho fatal no Pacífico a cerca de 228 metros da colisão com a superfície do oceano graças a recursos tecnológicos, revelou o relatório do National Transportation Safety Board (Conselho de Segurança de Transporte Nacional — órgão do governo dos EUA que investiga acidentes de transporte civil) divulgado nesta quinta (10).

Ainda segundo avaliação dos especialistas, a tripulação do voo cometeu uma série de erros e o avião esteve "a segundos de um grande desastre" em 18 de dezembro de 2022. Segundo informações do site Insider, o NTSB entrevistou testemunhas que estavam a bordo do Boeing 777, como o capitão e o copiloto, durante a investigação.

Ela revelou que a aeronave voava durante uma tempestade com ventos fortes logo após a decolagem, mas teve seus flaps colocados na posição errada porque o copiloto não ouviu direito as instruções do capitão.

Foi o sistema de alerta de proximidade com o solo do avião que, uma vez disparado, impediu o acidente, avisando aos pilotos que a aeronave realizava uma queda desenfreada rumo ao oceano. O alarme deu tempo de eles reagirem antes de uma tragédia.

O susto teria durado de 8 a 10 segundos, em que passageiros foram ouvidos fazendo orações na cabine
O susto teria durado de 8 a 10 segundos, em que passageiros foram ouvidos fazendo orações na cabine Imagem: Debbie Ann Powell/Getty Images

À CNN americana, passageiros relataram que a descida foi brusca — durou cerca de 8 a 10 segundos — e com sensação similar a de uma montanha-russa. O cenário era de desespero: muitos foram ouvidos fazendo 'orações finais' neste intervalo.

Após a sinalização do sistema, o copiloto disse ao piloto para "levantar" a aeronave, o que reverteu a crise e permitiu que o avião se reestabilizasse, segundo o relatório divulgado pelo NTSB, que ainda observou que o órgão foi comunicado a respeito do incidente de segurança apenas dois meses depois do ocorrido. No entanto, o próprio conselho admitiu que este tipo de evento não requer notificação imediata.

De acordo com o NTSB, a United Airlines mudou seus procedimentos de treinamento e iniciou uma campanha de conscientização a respeito do gerenciamento da rota de voo em seu centro de treinamento. No início do ano, a aérea informou à CNN que conduzia sua própria investigação com a FAA (Federal Aviation Administration, órgão federal que regula a aviação civil nos EUA).

Ao Insider, empresa ainda esclareceu que ambos pilotos, que juntos já somavam 25 mil horas de voos, receberam treinamento adicional. Eles continuam a voar pela companhia.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes