PUBLICIDADE
Topo

Estanho, um metal nobre "injustiçado" que brilha à mesa

Estanho é um metal nobre com peso e personalidade para as peças utilitárias de cozinha - Kátia Tristão
Estanho é um metal nobre com peso e personalidade para as peças utilitárias de cozinha Imagem: Kátia Tristão

Carol Scolforo

Colaboração para Nossa

31/08/2021 04h00

Fábio Reis

Fábio Reis

Fábio Reis

É artesão há 32 anos, 21 deles à frente de sua marca própria, a Imperial Estanhos, que comanda com a esposa, Deise.

Assim que Fábio Reis se formou como torneiro mecânico, deparou-se com a realidade: não havia vagas na região de São João Del Rey, onde morava. O ano era 1989 e ele bateu à porta da indústria John Sommers, fundada por um inglês que se apaixonou pelo lugar e tornou a marca a maior referência do Brasil em beneficiamento de estanho.

Estanho até hoje é um material "estranho" aos brasileiros: pouco falado, pouco explorado pelo design, mas um metal nobre com peso e personalidade à mesa. Basta ter os olhos certos para lapidá-lo.

E Fábio aprendeu isso: "Nós artesãos mineiros somos frutos da arte que John trouxe. Ele era rígido com a qualidade e com o fazer, mas acreditava muito em nossa capacidade artesanal", conta.

Peça de estanho - Erika Medeiros - Erika Medeiros
Peça da Imperial Estanhos
Imagem: Erika Medeiros

Fábio ganhou experiência e abriu as portas de sua Imperial Estanhos (@imperial_estanhos) no ano 2000. Batalhou por treinar artesãos — "leva geralmente um ano para a pessoa aprender a técnica bem", diz ele — e há quatro anos viu os designers se interessarem por seu fazer manual.

"Com a chegada da Semana Criativa de Tiradentes nossa mente se abriu ao design. Os profissionais trouxeram o olhar deles e no começo achávamos que não daria certo. Agora, a cada ano chega uma ideia inovadora", conta.

A produção de cada peça é totalmente artesanal - Kátia Tristão - Kátia Tristão
A produção de cada peça é totalmente artesanal
Imagem: Kátia Tristão

A empresa afirma que por se tratar de uma peça estável, ela não solta partículas do metal nos alimentos quando está em temperatura ambiente. Entretanto, o material não pode ser levado ao fogo pois derrete".

Muitas mãos

A produção é completamente manual. Começa pela fundição, onde o estanho é derretido e colocado nos moldes. Depois, é torneado, polido e está pronto: em meio dia de trabalho tem-se uma taça, por exemplo. Por mês são produzidas 100 peças, entre xícaras, bules, taças e outros objetos.

Trabalho delicado: a produção de apenas uma taça leva cerca de meio dia - Cacá Bratke - Cacá Bratke
Trabalho demorado: a produção de apenas uma taça leva cerca de meio dia
Imagem: Cacá Bratke

"O jogo de xadrez que fazíamos levava dois dias. Mas não temos mais tantos funcionários para isso e tiramos de linha. O estanho dobrou de preço desde dezembro, o que é outro entrave, além de o turismo ter diminuído bastante, o que impacta nas vendas." Ainda assim, no torno, Fábio cria com prazer e diz se orgulhar do material que tem em mãos.

O estanho é muito maleável, um metal nobre e fácil de dar formas. O processo é todo artesanal"

Conjunto de copos do atelier - Cacá Bratke - Cacá Bratke
Conjunto de copos do atelier
Imagem: Cacá Bratke
As peças dão estilo à mesa - Kátia Tristão - Kátia Tristão
As peças dão estilo à mesa
Imagem: Kátia Tristão

E o orgulho de ver suas peças desenhadas em parceria com nomes badalados como o de Mauricio Arruda, Fernando Jaeger e Alfio Lisi, serem vendidas em lojas de design como a Breton e a Dpot? "É um orgulho enorme", diz Fábio.

* A jornalista viajou a convite da Semana Criativa de Tiradentes (@semanacriativadetiradentes), que será realizada de 21 a 24 de outubro em Tiradentes, MG.