PUBLICIDADE
Topo

Fendi leva para as passarelas de Paris um 'exército de imperatrizes'

Os cortes são majestosos e as cores são vibrantes na Primavera 2022 da Fendi - Reprodução/Twitter
Os cortes são majestosos e as cores são vibrantes na Primavera 2022 da Fendi Imagem: Reprodução/Twitter

da AFP, em Paris

28/01/2022 09h51

A Fendi desfilou um "exército de imperatrizes" nesta quinta-feira (27), último dia da Semana de Alta Costura de Paris.

O britânico Kim Jones, diretor das coleções de moda feminina da casa romana Fendi e também estilista da moda masculina Dior, apresentou uma passarela com ares futuristas.

Os cortes são majestosos, as cores são vibrantes: preto, azul escuro, vermelho, violeta.

As "imperatrizes" avançam em impressionantes sapatos plataforma, sem salto, o que provoca alguns tropeços na passarela. Há um tom bélico, as caudas dos vestidos são longas.

"Minha razão de estar na Fendi é celebrar o poder das mulheres", declara Kim Jones na nota de apresentação da coleção primavera/verão.

Os lemas de Imane Ayissi

O camaronês Imane Ayissi joga com lemas. Tecidos estampados, típicos da cultura têxtil da África Ocidental, apresentam as mensagens que considera importantes.

A palavra "foufoullou" na língua Ewondo dos Camarões significa "mistura". Em outros vestidos aparece "ensemble" (juntos, em francês).

Impresso em um vestido branco, um slogan proclama: "No Fashion on a dead planet" (não há moda em um planeta morto). Os vestidos brincam com os tons de verde e rosa.

O criador camaronês gosta de flertar com lantejoulas e rendas, nas cores da cultura adire da Nigéria.

Ex-dançarina do Ballet Nacional de Camarões, Imane Ayissi entrou para a história em 2020 ao se tornar o primeiro estilista da África subsaariana a aparecer no calendário oficial da alta-costura.

Mangá e teatro "Nô" no desfile de Yuima Nakazato

O japonês Yuima Nakazato prestou homenagem ao teatro "Nô" de seu país e também ao mangá, com dançarinas e modelos de cabelos coloridos.

As bailarinas apareciam com os rostos cobertos por farinha de arroz, típico do teatro gestual japonês, e as modelos desfilavam com botas altas de inspiração gótica, nota excêntrica em um desfile de alta-costura.

O corte é assimétrico, as cores vivas, as estampas psicodélicas. Quimonos e vestidos de gala rompem com a atmosfera do Oratório do Louvre, o templo protestante utilizado para o desfile.

Yuima Nakazato, 37 anos, conhecido por seus figurinos para cantores, permanece fiel à sua estética inovadora.