Topo

Vôlei


Americana afasta fama de encrenqueira e se entrosa com churrasco e Michel Teló

Hooker (c) já se entrosou com as companheiras de Sollys dentro e fora de quadra - Maurício Val/VIPCOMM
Hooker (c) já se entrosou com as companheiras de Sollys dentro e fora de quadra Imagem: Maurício Val/VIPCOMM

Roberta Nomura

Do UOL, no Rio de Janeiro

15/04/2012 11h00

Destinee Hooker chegou ao Brasil no fim do ano passado com o status de carrasca da seleção verde-amarela no Grand Prix 2011 e com fama de ‘encrenqueira’. Os estereótipos poderiam atrapalhar a adaptação da oposta ao voleibol nacional. Mas em quatro meses a musa tratou de mudar o cenário e se entrosou com o elenco do campeão Sollys/Nestlé graças a churrascos e às músicas de Michel Teló, Gustavo Lima e Jorge e Matheus.

O entrosamento com as novas companheiras funcionou dentro de quadra e o Sollys conquistou o quinto título da Superliga ao vencer a rival Unilever por 3 a 0 no sábado. Hooker, aliás, foi a maior pontuadora da partida com 20 acertos e festejou muito. A oposta revelou que ligou para o Texas para falar com a família. “Meu pai acompanha tudo de lá. Mas queria falar da sensação que é incrível”, disse após a decisão no Maracanãzinho.

CARRASCA DO BRASIL MUSA AMERICANA USA IPAD PARA SE COMUNICAR NO BRASIL

  • A americana Destinee Hooker chegou ao Sollys/Nestlé como uma das principais contratações do vôlei brasileiro para a temporada. A oposto chegou com status de estrela, principalmente depois de tornar-se carrasca do Brasil na decisão do Grand Prix, em 2011, torneio do qual foi eleita a MVP e sua seleção foi campeã. Outro status que ganhou foi o de musa. Com 1,93m, a oposto chama a atenção por onde passa. No Brasil, claro, não foi diferente.

A sintonia com o elenco passou a ser trabalhada também fora de quadra. Hooker sai para jantar com as companheiras e não abre mão de um bom churrasco. “Ela veio em uma situação difícil, sozinha. Tem a barreira da língua e dos costumes, mas ela se entregou. Sai junto e se esforça para fazer parte do círculo de convivência”, contou a central Adenízia.

O diálogo mistura palavras em inglês e português – Hooker usa o iPad como tradutor – e já aprendeu algumas expressões, principalmente por causa das músicas. “Ela já sabe cantar todas as músicas do Michel Teló, Gustavo Lima, Jorge e Matheus...”, falou Adenízia. A central foi só elogios com a companheira e fez questão de negar a fama de encrenqueira da norte-americana.

Hooker foi acusada pelo Pesaro, da Itália, de abandonar a equipe sem permissão. E a fama de jogadora-problema se espalhou. “Ela é uma boa pessoa. Diferentemente do que falam, ela é extremamente profissional”, opinou Adenizia. O discurso da melhor bloqueadora da Superliga foi endossado pelo técnico Luizomar de Moura. “Não conhecia ela ainda. E batemos um papo. Para ela entender que eu tinha o que acrescentar a ela e do potencial que tem. Ela comprou o nosso barulho e sabe ouvir”.

Mais Vôlei