PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Infantino diz ter amplo apoio para Copa do Mundo com 48 equipes no Catar

13/12/2018 17h48

Por Eric Knecht

DOHA (Reuters) - O presidente da Fifa, Gianni Infantino, disse nesta quinta-feira que a maioria das federações nacionais de futebol é a favor da expansão da Copa do Mundo de 2022 no Catar para 48 equipes.

Infantino afirmou que uma decisão será tomada até março, embora ainda não esteja claro se um torneio ampliado seria viável, já que seria "difícil" de o Catar sediar o evento sozinho.

O Catar está envolvido em uma dura disputa com os vizinhos do Golfo Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Barein, o que dificulta a possibilidade de compartilhar partidas em um torneio ampliado.

Esses países, assim como o Egito, iniciaram um boicote diplomático e comercial ao Catar em junho de 2017, acusando-o de apoiar o terrorismo. O Catar nega.

A Fifa votou no ano passado para aumentar o tamanho do torneio de 32 para 48 times a partir de 2026, mas desde então Infantino vem avaliando a possibilidade de levar a mudança para 2022.

"Reunimos as opiniões de nossos membros, as federações", disse ele a repórteres.

"Até agora, é claro, a maioria é a favor porque mais 16 equipes participam, o que significa que mais 16 países estarão na Copa do Mundo, mas 50 ou 60 países poderão sonhar em se classificar para a Copa do Mundo."

"Se é viável ou não é uma questão diferente", completou.

Infantino disse que é improvável que o Catar, que está planejando um torneio com 32 equipes desde que ganhou o direito de sediá-lo em 2010, possa gerenciar 16 equipes extras por conta própria.

"É possível fazê-lo apenas no Catar? É difícil, provavelmente", declarou ele, acrescentando que não queria compartilhar detalhes das discussões com a mídia.

"É possível ter alguns jogos nos países vizinhos? Talvez isso seja uma opção."

"Claro, eu não sou ingênuo o suficiente para não saber e ler as notícias, e o que está acontecendo, mas estamos no futebol, não na política, e no futebol às vezes sonhos se tornam realidade."

Infantino disse que uma decisão precisa ser tomada até março por causa do sorteio das eliminatórias.

Esporte