PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Dolgopolov resume vitória sobre Zeballos: "Foi um jogo bem difícil"

23/02/2017 21h36

Rio de Janeiro, 23 fev (EFE).- Em uma sequência de sete vitórias, após o título do ATP 250 de Buenos Aires e a classificação obtida nesta quinta-feira para as quartas de final do Rio Open, o ucraniano Alexandr Dolgopolov considerou difícil o triunfo sobre o argentino Horacio Zeballos e admitiu estar desgastado fisicamente.

"Foi um jogo bem difícil. Eu tinha as chances, mas não conseguia quebrar. Fiquei feliz que eu consegui manter a calma, e enfim, no terceiro set, consegui a quebra", declarou 'Dolgo' em entrevista coletiva depois de bater Zeballos por 2 a 1 em 2h15min de batalha.

Nesta sexta-feira, pelas quartas de final do ATP 500 do Rio, o ucraniano jogará contra o espanhol Pablo Carreño Busta, que superou o dominicano Victor Estrella Burgos. Será uma revanche das semifinais de Buenos Aires.

"Amanhã eu jogo contra Carreño Busta. Enfrentei ele na semana passada, nas semifinais, e foi um jogo interessante. Eu joguei agressivamente, ele também. Houve muita alternância no primeiro set, tive chances, ele teve chance, e eu tive mais sorte. No segundo set, eu fiquei mais confortável, embora ele tenha continuado jogando bem. Acho que vai ser uma partida interessante", comentou.

Dolgopolov revelou estar sentindo o cansaço da sequência de jogos e disse ter sentido dois problemas diferentes na perna esquerda, um na parte da frente e outra atrás.

"Estou cansado, não descansei muito nos últimos dias. Eu tive um problema na minha perna antes da partida de hoje e um outro problema durante, em uma outra posição. Não quero ficar pensando muito nisso, fiquei um pouco assustado, mas estou ok e espero que possa ne recuperar para amanhã", declarou.

Vice-campeão do Rio Open na edição de estreia da competição, em 2014, o 50º colocado do ranking mundial é o único tenista ainda vivo no torneio que já foi à final. Ele não acredita que isso representa alguma vantagem.

"Eu venho jogando bem desde a semana passada e isso me dá confiança, mas não acho que importe uma final de dois anos atrás (foi em 2014, na verdade). Estou confiante, mas não estou certo de estar na final. O que eu preciso é estar em forma, me sentir bem fisicamente, ter sorte e vencer as partidas", analisou.

Esporte