PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Gallardo diz que 'sente pena' do futebol argentino: 'Estamos em decadência'

River Plate (ARG) encara o Athletico-PR, hoje, às 19h15, pelas oitavas da Libertadores - REUTERS/Pilar Olivares
River Plate (ARG) encara o Athletico-PR, hoje, às 19h15, pelas oitavas da Libertadores Imagem: REUTERS/Pilar Olivares

Colaboração para o UOL, em São Paulo

24/11/2020 10h58

Técnico do River Plate (ARG), Marcelo Gallardo fez duras críticas à organização e ao nível do futebol argentino. Em entrevista coletiva antes do jogo contra o Athletico-PR, hoje, pelas oitavas de fina da Libertadores, o treinador afirmou que a modalidade está "em decadência" em seu país.

"Considero que há muito fio político, todo mundo joga para ver onde consegue vantagem. Se queremos um campeonato sério, temos que avaliar outras condições e não apenas parecer sério. Deixamos dúvidas", opinou Gallardo.

"Sinto pena do futebol argentino. Eu disse que estamos em decadência. Estamos em um processo em que você vê o que vê: Um jogo chato. É chato. Não há jogos divertidos. É um contexto feio, sem público. O que queremos ser, não somos na mensagem ou no pensamento. Todos nós estamos envolvidos. Se queremos algo melhor, temos que buscar algo melhor (...) Não podemos fingir que não está acontecendo nada. Entendo os interesses existentes, mas o que não entendo é que existe uma vontade de evoluir e não estamos qualificados. É o país onde vivemos, parece que jogamos tudo para a frente e resolvemos da noite para o dia, ver que recepção tem. Se der certo jogamos fora e, se não, nada acontece", completou.

Prestes a enfrentar o Athletico-PR, Gallardo avaliou as equipes brasileiras. O primeiro jogo das oitavas de final será hoje, às 19h15, na Arena da Baixada.

"Os brasileiros continuam sendo uma potência. Eles nos superam na economia. As equipes argentinas são competitivas e equiparamos forças. Do ponto de vista econômico, estamos em desvantagem em relação ao orçamento do futebol brasileiro. Equalizamos o mental, o emocional. Destacamos as coisas que o argentino tem quando se trata de jogar por coisas importantes", encerrou.

Futebol