PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Com dicas de Barrichello, Caio Castro se lança como piloto da Porsche Cup

Caio Castro como piloto da Porsche Cup - Ryan Gomes
Caio Castro como piloto da Porsche Cup Imagem: Ryan Gomes

Beatriz Cesarini

Do UOL, em São Paulo

03/09/2020 12h16

Apaixonado pelo automobilismo, Caio Castro anunciou hoje (03) que dará mais um passo em sua carreira no mundo esporte. O ator vai competir profissionalmente na Porsche Cup e tem como tutor e amigo especial: Rubens Barrichello. Ele garantiu, porém, que vai se dividir entre a vida na telinha e pistas.

"Eu fico muito feliz em ter o Rubinho como uma das referências no automobilismo. Como amigo e como tutor. Eu sempre falo com o Rubinho, ele faz questão de estar sempre comigo quando vou experimentar algo no automobilismo. Ter esse toque e essa supervisão desse cara que vive no automobilismo é um privilégio. Ele me dá muita dica. Muito toque. Eu fico besta de ver o Rubinho tão presente comigo", ressaltou Caio Castro.

"Caio Castro se deu muito bem com a equipe, com engenheiros, mecânicos. O Caio inicia um processo de fato de adaptação, aprendizado e logo mais vai correr conosco na Porsche Cup", contou o chefe da equipe Dener Pires.

Além de Barrichello, Caio se inspira muito em Ayrton Senna. Aos 31 anos de idade, o ator tem em suas lembranças conversas com os pais sobre os grandes feitos do piloto brasileiro, que morreu em um acidente em 1994.

"Não tive o prazer de ver o Senna correndo. Quando ingressei no automobilismo, o Senna foi referência e continua sendo. Quando eu acho que não vai dar e quando as coisas começam a se tornar cansativas e o desgaste começam a me pegar, lembro que sempre vai ter uma forcinha a mais para levantar a taça. Ele está sempre em meus momentos na disputa, principalmente nos mais difíceis. É uma inspiração diária pra mim", destacou Caio.

Caio Castro em carro durante treinos da Porsche Cup - Ryan Gomes - Ryan Gomes
Imagem: Ryan Gomes

Recentemente, o ator mostrou aos fãs sua paixão pelo automobilismo. No dia dos pais, em agosto, ele venceu sua primeira competição como piloto profissional de kart: a Copa São Paulo.

Atualmente, está no ar em uma reprise da TV Globo: "Fina Estampa". Além disso, o ator também esteve nas telinhas na reapresentação da novela "Novo Mundo". Caio garantiu que essa nova fase no automobilismo não impedirá de os telespectadores o verem nos folhetins. O profissional tem um plano de intercalar as duas paixões ano a ano.

"Eu comecei como profissional de kart há quatro anos. Não inviabilizo minha carreira de ator. Mas meu foco para o ano que vem é, sim, me dedicar ao campeonato. Ainda tenho a Copa São Paulo nesse ano. Ano que vem estarei bem focado na Porsche Cup", declarou.

Uma coisa é certa: Caio não vê a hora de estrear como competidor. Enquanto isso, terá que segurar a inquietação e manter o foco nos treinamentos. "Bate um nervosismo. Sempre bateu. Acho que é isso que me move. A expectativa antes de entrar na pista, processo de ajuste do carro... Isso gera ansiedade e nervosismo... Autocobrança muito grande. A gente fica ansioso", disse.

Confira outros trechos da entrevista com Caio Castro:

Qual foi a reação da família? Ficaram preocupados por ser um esporte de alto risco?

"As mulheres da minha família ficaram mais nervosas. Minha mãe... todos tomaram um susto. Também escutei delas que a preocupação é grande, mas a intenção é me ver feliz. Acho que a preocupação vai existir sempre, mas a 'rapazeada' la em casa ficou animada, já pedindo ingressos", respondeu Caio.

E qual o estilo que representa Caio nas pistas?

"Acho que olhando os dados de telemetria, percebemos que o Caio é mais arrojado. Agora, na disputa, isso é só quando chegarmos lá nas competições para ver. Mas ele parece ter um estilo mais arrojado e ao mesmo tempo demonstra respeito pelos competidores, carro e pelas pessoas. Luta dura e limpa, esse é o perfil", explicou Dener Pires.

A paixão pelo automobilismo vem desde criança?

"Quando eu era criança ainda não conhecia automobilismo. Sempre gostei, mas não sabia que poderia ser uma carreira profissional. Lembro de minha mãe comentando que tinha um 'tico tico', Velotrol, e eu chamava de Senninha. Com quatro anos, eu dava cavalo de pau, pulava escada. Eu já tinha essa paixão", disse Caio.

Esporte