PUBLICIDADE
Topo

Em reprise no SporTV, Nalbert vê pela 1ª vez à despedida das quadras

Nalbert venceu a Susperliga masculina de vôlei pela primeira vez em 2005 com o São Bernardo - Reprodução
Nalbert venceu a Susperliga masculina de vôlei pela primeira vez em 2005 com o São Bernardo Imagem: Reprodução

Beatriz Cesarini

Do UOL, em São Paulo

19/04/2020 04h00

Há 15 anos, Nalbert deu adeus à sua carreira nas quadras com a conquista do seu primeiro e único título da Superliga Masculina de vôlei. O ex-jogador vai reviver a emoção, porque vai poder assistir à partida pela primeira vez na vida no sofá de casa, ao lado de sua família. A vitória do São Bernardo/Banespa sobre o Telemig/Minas por 3 sets a 2 será reprisada pelo canal SporTV 2 hoje, às 19h.

"Nunca tinha visto esse jogo. Será uma ótima ocasião para ver com a minha família, com meus filhos que nunca me viram jogar, já que nasceram bem depois daquela decisão. Já combinei por aqui. Meus filhos estão ansiosos para ver a conquista desse título. Vamos fazer pipoca e nos reunir como se fosse uma partida do Flamengo ou da seleção de vôlei, que a gente sempre assiste junto", disse Nalbert em entrevista ao UOL Esporte.

A conquista do Banespa veio após o quinto jogo de uma final para lá de disputada. A equipe de Nalbert ganhou o primeiro set, acabou perdendo as dupas parciais seguintes e entrou na quarta etapa pressionada pela torcida presente no ginásio Mineirinho. Apesar disso, o time paulista conseguiu consolidar duas vitórias seguidas com 25/22 e 15/13 e levantou a taça.

"Foi um jogo muito difícil. Vencemos o primeiro set, o Minas virou o jogo, vencendo o segundo e o terceiro sets, mas nós tínhamos um time muito bem organizado e equilibrado. Eu comandava aquela garotada, que sempre se comportou muito bem durante toda a temporada, principalmente em momentos adversos. No quarto a set, a única coisa que eu falava era para pensarmos com calma, ponto a ponto, porque esse jogo iria voltar para nós. Vencemos o quarto set por 25 a 23", relembrou Nalbert.

"No quinto e decisivo, a situação estava bem complicada também, já que o Minas chegou a abrir 8 a 4. Mas nosso sistema defensivo funcionou, o Rivaldo e o Felipe jogaram muito naquele dia e acabamos vencendo. Foi uma vitória muito emocionante, a torcida pegou logicamente no meu pé, mas eu sempre gostei de jogar com torcida contra e isso não me incomodou. Foi um dia muito especial e guardo com muito carinho tudo o que aconteceu naquele momento", acrescentou.

Nalbert tinha 31 anos na época e já era campeão mundial e olímpico. Faltava apenas o título da Superliga na história que construiu nas quadras. Depois de um jogo épico, o ex-atleta pôde embarcar no vôlei de praia completo.

"Foi muito especial, um título que eu queria demais, um dos poucos que ainda não tinha na carreira. Joguei muitos anos no exterior, o que me fez ter menos possibilidades de vencer a Superliga. Escolhi jogar no São Bernardo, em um time jovem, não pensando em títulos inicialmente, mas sim em deixar um legado, uma mensagem bacana, já que seria minha última experiência na competição. Foi uma temporada perfeita, porque além da Superliga, ganhamos o Campeonato Paulista e a Copa Brasil", declarou Nalbert.

"Chegamos na Superliga sem favoritismo e existiam times mais fortes, como o próprio Minas, com jogadores experientes e muita tradição, que terminou em primeiro lugar na fase classificatória. A final foi decidida no quinto jogo, apenas no quinto set e de virada, então não poderia ser melhor. Jogando fora de casa, no Mineirinho, para mais de 20 mil pessoas. Não poderia ter escolhido roteiro de filme melhor para a minha despedida. Foi demais aquele título, por toda a repercussão que teve na época", finalizou.

Vôlei