PUBLICIDADE
Topo

Pan 2019

Campeão do atletismo sofreu queimadura na cabeça com 10 meses de idade

Alison Santos comemora a medalha de ouro nos 400 m com barreiras do Pan -  Pedro Ramos / rededoesporte.gov.br
Alison Santos comemora a medalha de ouro nos 400 m com barreiras do Pan Imagem: Pedro Ramos / rededoesporte.gov.br

Demétrio Vecchioli

Do UOL, em Lima (Peru)

09/08/2019 04h00

O Brasil conheceu Alison Brendom dos Santos de um jeito que pouca gente conhecia: sem boné. A grande promessa do atletismo brasileiro para os Jogos Olímpicos de Tóquio, agora campeão pan-americano dos 400m com barreira, está sempre com o utensílio na cabeça para proteger as cicatrizes de um acidente doméstico sofrido quando ele ainda era criancinha em São Joaquim da Barra, no interior de São Paulo.

Alison, que hoje todo mundo conhece por Piu, tinha 10 meses quando foi atrás da avó na cozinha, engatinhando, bateu no cabo e virou sobre a cabeça uma panela de óleo que estava esquentando para fritar peixe. O acidente foi grave e levou o menino até o Hospital do Câncer de Barretos, onde ficou internado com queimaduras de terceiro grau. Seu primeiro aniversário foi celebrado dentro do hospital.

Saiu de lá, porém, com diversas cicatrizes: na testa, no rosto, no peito e no braço esquerdo. A mais visível é a da parte superior da cabeça e de parte da testa. Ali a pele é mais clara e não nasce cabelo, o que dá a impressão de que Piu tem uma careca e é muito mais velho do que seus 19 anos. Em torno do olho direito a pele do rosto é mais escura.

Para proteger do sol a área sensível, Alison costuma treinar de boné. Ainda que isso atrapalhe o treinamento, O boné só sai da cabeça para as provas oficiais. E, nelas, Piu está voando este ano. Ganhou o GP Brasil, a Universíade, o Campeonato Pan-Americano Sub-20 e os Jogos Pan-Americanos nos 400m com barreiras, sempre melhorando sua melhor marca pessoal. Hoje, é o quarto do ranking mundial.