Topo

Ana Marcela não se cansa de nadar e vai competir na piscina: "É trabalho!"

Ana Marcela Cunha na maratona aquática dos Jogos Pan-Americanos de Lima - Wander Roberto/COB
Ana Marcela Cunha na maratona aquática dos Jogos Pan-Americanos de Lima Imagem: Wander Roberto/COB

Karla Torralba

Do UOL, em Lima (Peru)

07/08/2019 04h00

O ano de Ana Marcela Cunha está muito longe de chegar ao fim dentro d'água. Depois do ouro inédito na maratona aquática de 10km nos Jogos Pan-Americanos de Lima, a brasileira ainda terá mais duas provas para nadar em Lima antes de seguir o planejamento do restante da temporada. Mas ela adota uma filosofia inspirada, com humor, na célebre frase do técnico de futebol Muricy Ramalho: "Aqui é trabalho!".

"Até brinquei que a gente tem como referência o Muricy. É trabalho, é treino e não tem segredo, não tem o que fazer: é treinar ou treinar. A maratona tem se desenvolvido numa velocidade muito grande, cada vez mais profissional, com mais meninas novas. Não tem jeito, e a gente vê que está dando resultado", comentou Ana Marcela sobre a rotina cheia de provas.

Se você precisa de uma prova para essa filosofia, basta ver o que Ana Marcela fez nas últimas semanas. Antes de chegar a Lima, a soteropolitana de 27 anos nadou três provas individuais no Mundial de esportes aquáticos da Coreia do Sul, há menos de um mês. E não é que sua participação no Pan já tenha acabado. Como se não bastasse o ouro em mar aberto por uma das provas mais desgastantes do evento, ela ainda vai testar suas habilidades (e fôlego!) na piscina nesta semana.

Na capital peruana, Ana Marcela vai competir pela primeira vez nas provas pan-americanas dos 800m e 1500m livre, respectivamente hoje e no sábado (10). São dois novos desafios para ela, mas também a oportunidade para uma campeã mundial nadar sem sentir muita pressão, em iniciativa aprovada por seu treinador, Fernando Possenti .

A gente não almeja tanto o pódio quanto na maratona. É mais complicado, mas é entrar na piscina e dar meu melhor, me divertir", disse. "Conversamos se nadaríamos o Pan, e eu falei que nunca tinha nadado. Não sei se, com a nova geração chegando, eu teria oportunidade de novo para me classificar na piscina. E será depois da maratona. Então o Fernando disse para nadarmos."

Acha que é pouco? Depois do Pan, ainda tem participação agendada para os Jogos Mundiais de Praia, três Copa do Mundo e o Mundial Militar antes da Olimpíada de Tóquio. A quantidade de competições não é exagero, mas estratégia de treino da campeã.

O técnico Possenti explicou. "Parece que acabou aqui, mas ela ainda tem um calendário extenso neste ano. Só de provas de 10km ela tem mais umas quatro pela frente. O calendário é enorme e seguimos esse planejamento pra ela seguir no auge a todo momento. Tem duas maneiras de seguir com o programa e ela se adaptou as duas. Aquela de competir menos e treinar mais e a que você não tem tanto treino de treinar, mas compete o tempo inteiro e segue dando picos o tempo todo". A atual estratégia é a segunda citada pelo treinador.

"Tem bastante etapa de Copa do Mundo esse ano e próximo ano também, tem bastante competição até daqui um ano e a gente espera manter esse alto nível que está conseguindo a cada prova", ressaltou Ana Marcela.

A medalha de ouro no Pan se junta as outras duas do Mundial da Coreia do Sul: 25km e 5 km. Faltou a de 10 km naquela competição, quando terminou em quinto. Para ela, agora só falta a coroação na Olimpíada. "Não é segredo. Todo mundo sabe o quanto a gente está treinando forte e indo bem, mantendo alto nível em todas as provas. Das que dependeram de mim, no individual, apenas em uma não estive no pódio. Isso mostra que a gente é capaz de chegar prova a prova e conseguir a medalha", afirmou.