PUBLICIDADE
Topo

Pan 2019

Hipismo consegue prata e vaga olímpica mesmo sem cavaleiro que caiu no Pan

Com vaga olímpica e medalha de prata, cavaleiros brasileiros dividem pódio do CCE com atletas dos EUA e do Canadá - Jose Sotomayor / Lima 2019
Com vaga olímpica e medalha de prata, cavaleiros brasileiros dividem pódio do CCE com atletas dos EUA e do Canadá Imagem: Jose Sotomayor / Lima 2019

Do UOL, em São Paulo

04/08/2019 14h38Atualizada em 04/08/2019 19h14

Um dia depois de perder um cavaleiro que sofreu fraturas em forte queda do cavalo no sábado, a equipe brasileira do conjunto completo de equitação (CCE) conquistou neste domingo a medalha de prata nos Jogos Pan-Americanos de Lima e garantiu também a vaga olímpica para Tóquio-2020 na modalidade, além de somar ainda uma medalha de bronze individual com Carlos Parro.

A equipe brasileira disputou neste domingo a prova de saltos, que fecha o CCE, e teve bom desempenho dos conjuntos formados pelo cavaleiro Carlos Parro (com a montaria Quaikin Quorious), Rafael Losano (Fuiloda G) e Marcelo Tosi (Starbucks) e superou a ausência de Ruy Leme da Fonseca, que sofreu uma queda no sábado durante a etapa do cross country e foi atingido pelo próprio cavalo, causando fraturas no úmero e em três costelas.

Losano, Parro e Tosi foram superados apenas pela equipe dos Estados Unidos, que ficou com a medalha de ouro, enquanto o bronze foi para a equipe canadense.

No individual, Carlos Parro conseguiu a medalha de bronze ao terminar com o terceiro lugar, superado pelos americanos Boyd Martin e Lynn Symansky, respectivos donos das medalhas de ouro e prata. Entre os outros brasileiros que disputaram a prova, Rafael Losano foi o sexto colocado, seguido por Marcelo Tosi, em sétimo.

No hospital, cavaleiro aguarda medalha

O cavaleiro Ruy Leme da Fonseca seguirá mais 24 horas em observação no hospital de referência dos Jogos Pan-Americanos em Lima, para onde foi levado após uma queda em que ele acabou atingido pelo próprio cavalo no último sábado. O COB informou em nota oficial que, estável e sem risco de morte, o atleta segue acompanhado pelo médico Mateus Saito. De acordo com o boletim, ele precisa seguir monitorado devido a uma contusão pulmonar sofrida por trauma no tórax.

Em seu quarto, o brasileiro comemorou a conquista da equipe e agora aguarda sua própria medalha de prata. "Graças a Deus está tudo bem, apesar do susto. Foi realmente uma queda muito forte, e poderia ser pior. Até o momento ainda não consegui decifrar o que aconteceu, vendo os vídeos e tudo", afirmou. "Mas estou muito feliz pelas duas medalhas que conseguimos, tal como em Toronto. Dessa vez com mais pressão, porque era só ouro e prata que qualificava para Tóquio. E chegamos aí, bem perto dos Estados Unidos, batemos o Canadá de longe."

Essa foi a quarta participação de Ruy nos Jogos Pan-Americanos. Ganhou sua quinta medalha. "Graças aos meus companheiros de equipe, que fizeram um trabalho sensacional. Parabéns para eles", disse. "Agora é só ter paciência e ir para a recuperação. Já não vejo a hora de estar de volta às celas e começar essa viagem para Tóquio, treinar, voltar à equipe."

Ruy fraturou três costelas e sofreu fratura do úmero proximal do braço esquerdo e precisará passar por uma cirurgia. Os médicos ainda aguardam sua liberação clínica para a definição se a intervenção cirúrgica será feita em Lima ou no retorno ao Brasil. Seu cavalo está bem, sem nenhum ferimento. "Não aconteceu nada com ele", disse.