PUBLICIDADE
Topo

Pan 2019

Pan acaba com vagas políticas do tênis na Olimpíada, mas não atrai elite

Nicolas Jarry é o único top 100 de simples que disputa o Pan de Lima no tênis - Gaspar Nóbrega/DGW Comunicação
Nicolas Jarry é o único top 100 de simples que disputa o Pan de Lima no tênis Imagem: Gaspar Nóbrega/DGW Comunicação

Do UOL

Em São Paulo

30/07/2019 04h00

Caminho mais fácil para chegar aos Jogos Olímpicos, os Jogos Pan-Americanos de Lima pela primeira vez distribuem vagas olímpicas no tênis e acabam com vagas que anteriormente eram políticas e chegaram a ser distribuídas a jogadores como Thomaz Bellucci em Londres-2012 e Teliana Pereira na Rio-2016. Mas nem mesmo este atalho foi atraente para alguns dos principais tenistas das Américas.

O chileno Nicolas Jarry, que há poucas semanas conquistou seu primeiro título ATP em Bastad, na Suécia, é o único tenista do top 100 que está presente nas chaves do Pan no Peru. Ele é o atual número 55 do mundo e desponta como favorito ao ouro em simples e nas duplas mistas, ao lado de Alexa Guarachi, que é 55ª do mundo nas duplas femininas.

O boliviano Hugo Dellien, atual 89º do mundo, também estava inscrito para disputar o Pan, mas desistiu para jogar um ATP em Kitzbuhel, na Áustria, onde perdeu logo na estreia. Outros jogadores como o canadense Brayden Schnur e o brasileiro Thiago Monteiro, que não estão hoje na faixa de ranking que classifica para a Olimpíada, também não foram seduzidos pela possibilidade de ir a Tóquio em caso de ouro ou prata em Lima.

Para os Jogos Olímpicos, se classificam diretamente por ranking os 56 primeiros tenistas de simples, com um limite de quatro jogadores por país, no ranking que fecha logo após a próxima edição de Roland Garros, no dia 8 de junho de 2020. Além deles, os campeões e vices de simples do Pan, os campeões dos Jogos Africanos 2019 e dos Jogos Asiáticos 2018, que foram o uzbeque Denis Istomin e a chinesa Qiang Wang.

O tênis nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 acontece praticamente na mesma semana em que está sendo disputado o Pan este ano, o que deve ocasionar diversas desistências, uma vez que o torneio na Ásia ocorre no meio da série de torneios nos Estados Unidos que servem como preparação para o US Open, um dos quatro Grand Slams da temporada.

Os medalhistas de ouro e prata de Lima precisam ainda se manter entre os 300 melhores de seus respectivos rankings masculino e feminino, da ATP. Se Bellucci e Monteiro não se interessaram pela ida ao torneio pan-americano, jovens como João Menezes e Thiago Wild tentam aproveitar a oportunidade.

Menezes vem de boas campanhas em torneios Challenger - segundo escalão do tênis mundial - e assumiu nesta semana o número dois do Brasil no ranking ATP. Wild foi campeão juvenil do Aberto dos Estados Unidos em 2018 e está em seu primeiro ano atuando apenas no profissional.

No feminino, Beatriz Haddad Maia seria uma das atrações do torneio, mas desistiu semanas antes de um resultado positivo de doping também a deixar afastada das quadras por tempo indeterminado, até que seja julgada. Com isso, Carolina Meligeni Alves e Luísa Stefani são as únicas brasileiras na disputa.

A estreia dos brasileiros será nesta terça-feira, com Wild jogando às 12h (de Brasília) contra o americano Kevin King pela chave masculina, seguido pelo duelo entre Carol Meligeni e a segunda cabeça de chave, a canadense Rebecca Marino. Stefani é quem tem a estreia mais tranquila, contra a mexicana Giuliana Olmos.

Desfalcado de última hora de Marcelo Demoliner, que jogaria apenas duplas, o time brasileiro das duplas masculinas tem a estreia de Menezes e Wild contra uma dupla pouco expressiva da Guatemala, formada por Stefan e Wilfredo Gonzalez. Esta é uma das melhores chances de medalhas no tênis, já que apenas três vitórias já garantem o pódio.

Melhor situação ainda tem a dupla feminina de Meligeni e Stefani, que saiu adiantada para as quartas de final e com uma vitória já briga por medalha, mesma condição da dupla mista em que Stefani joga ao lado de Menezes.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado, Thiago Wild foi campeão do Aberto dos Estados Unidos em 2018.