PUBLICIDADE
Topo

Esporte

'Shrek real' era lutador e pode ter inspirado o ogro mais famoso do mundo

Adriano Wilkson

Do UOL, em São Paulo

17/10/2014 06h00

Por causa de uma grave doença, o lutador francês Maurice Tillet ganhou após a adolescência nariz, orelhas, mãos e pés enormes, além do título de “o homem mais feio do mundo”. Na Inglaterra era descrito como “uma feroz monstruosidade, não um ser humano, mas uma pedra de brutalidade.” Quem o conhecia, porém, dizia que ele era o dono de um enorme coração, inteligência acima da média e generosidade incomum. Ele adorava crianças, e as crianças o adoravam. Era conhecido no mundo da luta como “O Anjo Francês”.

Por suas características físicas e biográficas, o lutador é apontado como o grande inspirador de Shrek, o ogro verde e gentil que ganhou os cinemas em 2001. A história não oficial da gênese do personagem conta que os produtores da Dreamworks, empresa de animação que deu vida ao ogro, encontraram um busto de Tillet em um museu e a partir dele construíram o monstro simpático.

Tillet sofria de acromegalia, uma doença que faz o corpo inchar por uma produção excessiva de hormônios do crescimento. Pacientes de acromegalia costumam ter várias complicações de saúde e morrer precocemente – Tillet viveu até os 51 anos.

Embora nos dias atuais ele seja uma figura esquecida até pelos admiradores das artes marciais, sua vida está amplamente documentada pelos jornais da metade do século passado, já que ele era uma espécie de celebridade nos Estados Unidos e na Europa. Boa parte desse material biográfico foi reunida pelo pesquisador Tom Latour, que orgulhosamente se considera o maior conhecedor da vida de Maurice Tillet.

Em contato com o UOL Esporte, Latour afirma que museus, canais de televisão e curiosos em geral recorrem a ele quando querem saber mais sobre Tillet, a quem ele chama de “meu garoto”. De fato, as pesquisas de Latour, cujos resultados ele publica na internet, sugerem um fascínio quase obsessivo pela biografia do lutador.

Ele chegou a, por exemplo, telefonar a uma pequena igreja no interior da Rússia, onde Tillet nasceu e viveu na primeira infância no começo do século 20, para buscar informações sobre os pais do lutador. “Eu tenho um profundo respeito pelo homem bom e decente que Maurice foi e por isso eu me sinto compelido a entendê-lo cada vez mais”, diz.

O lutador Maurice Tillet com a modelo Dorian Leigh; ele foi a inspiração do ogro Shrek - Reprodução/Blog Death Mask of Maurice Tillet - Reprodução/Blog Death Mask of Maurice Tillet
Imagem: Reprodução/Blog Death Mask of Maurice Tillet

Ele também afirma que suas pesquisas indicam com “95% de certeza” que a criação de Shrek teve como uma grande inspiração a vida do “seu garoto”. Além da óbvia semelhança física, Latour aponta características psicológicas que aproximariam Tillet do ogro verde. “Veja Shrek rugindo para o Burro, e o Burro parado, apenas sorrindo”, escreveu ele em seu blog dedicado à vida do lutador. “Quando Maurice subia no ringue ele também rugia, e o público adorava.”

O sorriso do lutador é outra coisa que o assemelha ao ogro. “Maurice era conhecido na vida real por ser sensível, gentil, orgulhoso e nobre. Penso em Maurice atuando como um monstro, mas no final de cada apresentação, ele abria aquele sorriso bobalhão que parece um espelho do sorriso do Shrek e aí ninguém mais acreditava em sua monstruosidade.”

Um modelo para as pessoas

“Maurice permanece como um modelo sobre como superar os desafios da vida”, escreveu o pesquisador. “Ele teve de lidar com sérias e dolorosas condições físicas e psicológicas e conseguiu viver sua vida e transformá-la em alguma coisa especial, não evitando seus problemas, mas abraçando e lidando com eles. Foi isso que a Dreamworks encontrou nele e, sem dúvida, usou muito disso no filme.”

O curioso é que o Shrek que conhecemos, cuja figura lembra muito a do lutador francês, é bem diferente dos primeiros rascunhos do personagem. E isso nos leva à história de seu nascimento.

Maurice Tillet de hobby. Ele era uma celebridade na primeira metade do século 20 - Reprodução/Blog Death Mask of Maurice Tillet - Reprodução/Blog Death Mask of Maurice Tillet
Imagem: Reprodução/Blog Death Mask of Maurice Tillet

No meio dos anos 1990, a Dreamworks comprou os direitos de adaptação de um livro infantil cujo personagem-título era um ogro verde chamado Shrek. O personagem foi pensado para ser dublado na telona pelo ator Chris Farley, que morreu em 1997 no meio da produção do filme. A empresa, então, decidiu convidar Mike Meyers para substituí-lo e construiu para ele um Shrek bem diferente do de Falley. Foi essa segunda versão que ficou consagrada.

Não há nenhuma prova de que os produtores realmente viram o busto de Tillet e conheceram sua história antes dar vida a Shrek. Latour tem apenas indícios não confirmados de que, na época de produção do filme, havia fotos de lutadores perto da mesa de criação do estúdio. A empresa não fala sobre o assunto.

“Eles provavelmente nunca vão admitir porque não há nenhum ganho fazendo isso”, teoriza o pesquisador. “E há tudo a perder se as pessoas descobrirem com certeza que Shrek foi inspirado em um homem com uma doença seríssima que o mataria prematuramente. Já entrei em contato com a Dreamworks, mas nunca consegui uma resposta”, diz ele.

Maurice Tillet morreu em setembro de 1954. Um jornal dos EUA, onde ele passou a parte final de sua vida, escreveu a frase “A morte de um anjo” sobre a foto do rosto sorridente do lutador.

Leia um resumo da entrevista com Tom Latour, profissional de Tecnologia da Informação que, aos “40 e poucos anos”, se dedica à pesquisa da biografia do Shrek da vida real.

UOL Esporte – Como, quando e por que você começou a jornada pelo paradeiro do Maurice?

Latour – Cerca de 20 anos atrás, eu consegui um busto de proporções estranhas. Nunca achei que isso fosse mais do que um projeto de arte que deu errado. Um dia, vendo TV, assisti a um programa chamado “Um Monstro de Homem”, no qual eles falavam sobre o Maurice. Aquele busto veio na hora na minha mente. Depois de muita pesquisa, descobri que aquele era o busto de um homem chamado “O Anjo Francês”. No curso da pesquisa, comecei a ficar fascinado pelo Maurice. Ele foi o tipo da pessoa que a maioria de nós tenta ser, embora tenha tido todos os desafios físicos e sociais que a acromegalia traz e que poucos de nós conseguiriam superar do jeito que ele fez.

Por que você acha que há tão pouca informação atualmente sobre ele?

Há muitas matérias de jornais sobre ele, mas todas da época em que ele era vivo. Tem um vídeo de uma TV russa e aquele outro que eu vi e me levou a conhecer a vida dele. Mas quando eu comecei a pesquisa, havia mesmo pouca coisa na internet, talvez umas 10 fotos só. O texto biográfico disponível, apesar de bem escrito, carecia de informações mais profundas. Maurice foi incrivelmente popular enquanto vivo. Ele era vendido como um vilão, mas todas as matérias que encontrei falam no quão inteligente e decente ele era. Ele era filho único, nunca casou e não teve filhos. Seu pai morreu quando Maurice tinha 8 anos e sua mãe, dois anos antes dele próprio morrer.

Maurice era conhecido por ser um homem reservado e seu melhor amigo morreu no mesmo dia que ele. Simplesmente não houve ninguém para escrever alguma coisa. Apesar de ser muito conhecido e respeitado na comunidade, depois que ele morreu, simplesmente caiu no esquecimento da história.

Dá pra dizer com certeza que os produtores de Shrek visitaram o museu com o busto do Maurice? Ou isso é apenas uma ilação?

Infelizmente, não tem nada mais do que indícios na internet de que esse evento ocorreu. Eu tentei perseguir cada pista nessa área, mas isso não é confirmável nesse momento. Se pensarmos em longo prazo, talvez... Há um post aleatório e anônimo em um blog que menciona alguém que trabalhou na Dreamworks e teria fotos de atletas de luta livre nas estações de trabalho, e essas fotos teriam inspirado o Shrek. Eu tentei contato com o museu que tem o busto para saber informações sobre visitantes, mas infelizmente o museu não conseguiu ajudar. Para dizer a verdade, eles até achavam que aquele era o único busto de Maurice que existia, quando nós sabemos que, com o meu, há pelo menos quatro.

Esporte