PUBLICIDADE
Topo

Copa Sul-Americana - 2022

São Paulo dá espaço para a base e vence o Ayacucho com gol e choro de Caio

Caio comemora gol do São Paulo sobre o Ayacucho pela Sul-Americana - Marcello Zambrana/AGIF
Caio comemora gol do São Paulo sobre o Ayacucho pela Sul-Americana Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

Brunno Carvalho

Do UOL, em São Paulo

25/05/2022 21h06Atualizada em 25/05/2022 23h29

Classificação e Jogos

Um desavisado que chegasse ao estádio do Morumbi hoje (25) teria dúvidas se em campo era o time profissional do São Paulo enfrentando o Ayacucho, na última rodada da fase de grupos da Copa Sul-Americana. Com a classificação para o mata-mata garantida, o técnico Rogério Ceni escalou uma equipe com média de idade de 21,7 anos. E foi com Caio, de 18, que a vitória por 1 a 0 veio.

Em seu segundo jogo como profissional, o atacante se mostrou confortável dentro de campo. Aberto pela esquerda, criou as principais chances, ao partir para cima da defesa adversária com dribles rápidos. As tomadas de decisão erradas, comum para a idade, ficarem em segundo plano quando Caio aproveitou um erro da defesa do Ayacucho, cortou para dentro e fez um belo gol. Na comemoração, enquanto o Morumbi vibrava com o gol de mais um "made in Cotia", o camisa 33 caía no choro.

O São Paulo terminou a fase de grupos da Sul-Americana com a segunda melhor campanha. A equipe paulista ficou atrás apenas do Ceará, que venceu o Independiente, hoje, por 2 a 0, e chegou aos 18 pontos - o time de Rogério Ceni terminou com 16.

Os duelos das oitavas de final da Copa Sul-Americana serão conhecidos na próxima sexta-feira (27), em sorteio realizado na sede da Conmebol. O regulamento prevê que as equipes que disputaram a fase de grupos do torneio enfrentarão adversários vindos da Libertadores.

Live do São Paulo

O que vem agora

O São Paulo volta as suas atenções para a disputa do Brasileirão. Terceiro colocado da competição, o time recebe o Ceará no próximo sábado (28), no Morumbi, às 19h (de Brasília).

O melhor: Caio

O atacante de 18 anos parecia um jogador experiente em seu segundo jogo como profissional do São Paulo. Aberto na esquerda, ele deu trabalho para a defesa do Ayacucho tentando jogadas de velocidade e dribles rápidos. No segundo tempo, caiu no choro ao fazer seu primeiro gol na equipe principal.

O pior: Juan

O atacante ainda não conseguiu se firmar entre os profissionais. Escalado como homem de referência, Juan pouco participou das jogadas e, quando teve a chance de definir, não conseguiu aproveitar os cruzamentos para balançar as redes.

Ceni coloca a base para jogar

A classificação antecipada fez com que Rogério Ceni desse espaço aos mais jovens do elenco. O treinador mandou a campo um time com dez jogadores vindos da base tricolor, um recorde na história do clube - a marca anterior era de nove, contra o CSA, em 2019.

A equipe escolhida por Ceni teve média de idade de 21,7 anos. Apenas Miranda, de 37 anos, não veio da base são-paulina. Dentre os demais, o mais velho entre as revelações do time era o goleiro Thiago Couto, enquanto o mais experiente era Jonas Toró (22), em sua quarta temporada como profissional.

A partida permitiu a estreia profissional de quatro jogadores: o zagueiro Beraldo e o meia Léo Silva, que começaram entre os titulares, e o atacante Maioli e o meia Palmberg, que entraram no segundo tempo.

Sobra vontade, falta entrosamento

A escalação alternativa de Rogério Ceni serviu para dar minutos aos mais jovens, mas fez com que o São Paulo sofresse com o entrosamento. Sem nunca terem jogado todos juntos, os atletas tiveram dificuldade para acertar as movimentações e as trocas de passe.

Sem o jogo coletivo aguçado, sobrou aos jogadores do São Paulo a vontade. Em seu segundo jogo como profissional, Caio foi o mais incisivo no primeiro tempo. Escalado como um ala pela esquerda, o atacante deu trabalho para a defesa do Ayacucho com dribles rápidos. Em um deles, aos 25 minutos do primeiro tempo, caiu na área e ficou pedindo pênalti, não marcado para a arbitragem.

A melhor chance da primeira etapa saiu de um lance confuso, aos 12 minutos. Beraldo deu bom passe entre linhas para Juan, que tocou para Talles Costa. O goleiro Vidal saiu mal da área e a bola ficou com Jonas Toró. O atacante chutou para o gol, mas um desvio no zagueiro impediu que o São Paulo abrisse o placar.

Caio marca e cai no choro

O São Paulo foi melhor durante toda a partida, mas a falta de entrosamento fez com que o time sofresse para transformar a superior em gols. O placar saiu do zero apenas aos 25 minutos do segundo tempo, em jogada criada por duas crias da base, para delírio da torcida presente no Morumbi.

Maioli, em seu primeiro jogo como profissional, cruzou para a área e a zaga do Ayacucho se atrapalhou para cortar. A bola sobrou para Caio, que cortou para dentro e bateu colocado para fazer um belo gol. Na comemoração, o jovem de 18 anos desabou em lágrimas.

O jogo do São Paulo: domínio, mas sem entrosamento

Rogério Ceni mais uma vez optou por um esquema com três zagueiros. Poupando todos seus principais jogadores, o treinador colocou o meia Léo Silva e o atacante Caio nas alas. A decisão fez com que o São Paulo ficasse perigoso pelos lados, principalmente pela velocidade de Caio.

A falta de entrosamento, no entanto, impediu que a clara superioridade técnica da equipe paulista se sobressaísse diante do Ayacucho, que pouco criou. No segundo tempo, quando Rigoni entrou na vaga de Léo Silva, o São Paulo ficou ainda mais incisivo e móvel. Caio passou a trazer a jogada da ponta para o meio. Foi assim que, aos 26 minutos, cortou para dentro e fez o gol que abriu o placar.

FICHA TÉCNICA:

SÃO PAULO 1 x 0 AYACUCHO-PER

Competição: Copa Sul-Americana - Sexta rodada do Grupo D
Data e hora: 25 de maio de 2022 (quarta-feira), às 19h15 (de Brasília)
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Público: 16.696 pessoas
Renda: R$ 478.699,00
Árbitro: Carlos Benitez (PAR)
Auxiliares: Roberto Cañete e Jose Villagra (ambos PAR)
Quarto árbitro: Zulma Quiñonez (PAR)
Gol: Caio (25'/2ºT), para o São Paulo
Cartões amarelos: Magallanes, Toledo e Páucar, pelo Ayacucho

SÃO PAULO: Thiago Couto; Beraldo, Miranda, Luizão; Léo Silva (Rigoni), Pablo Maia, Luan (Maioli), Caio; Jonas Toró (Igor Vinícius), Juan (Alisson) e Talles Costa (Palmberg). Técnico: Rogério Ceni

AYACUCHO: Vidal; Toledo, Quina, Aldair Salazar, Magallanes, Guidino; Barrios (Rebagliati), Techera (Olascuaga), Enmanuel Páucar (Parodi), Romaní (Sebastián Gonzales); Royón (Morales). Técnico: Alejandro Apud