PUBLICIDADE
Topo

Libertadores - 2022

Bragantino perde para Nacional, amarga lanterna e é eliminado na Liberta

Jogadores do Nacional (URU) comemoram gol sobre o RB Bragantino na Libertadores - DANTE FERNANDEZ / AFP
Jogadores do Nacional (URU) comemoram gol sobre o RB Bragantino na Libertadores Imagem: DANTE FERNANDEZ / AFP

Colaboração para o UOL, em São Paulo

24/05/2022 21h08

Classificação e Jogos

Com uma atuação muito ruim, o Red Bull Bragantino perdeu por 3 a 0 para o Nacional-URU, pela sexta rodada da Copa Libertadores, no Parque Central, em Montevidéu. Para piorar, o revés fez com que a equipe termine na lanterna do Grupo C, sendo eliminada do torneio e ainda sem a vaga na Sul-Americana.

O Nacional marcou os seus dois primeiros gols em jogadas criadas pelo lado esquerdo, saindo dos pés de Zabala, em cruzamentos rasteiros no primeiro tempo. No primeiro, Cleiton espalmou e Trezza mandou para rede. No segundo, Cándido apareceu nas costas da marcação e ampliou. Na segunda etapa, Fagúndez fez o terceiro, de pênalti.

Com a derrota, o Massa Bruta deu adeus à Libertadores. Para piorar, o Vélez venceu o Estudiantes por 4 a 0, no outro jogo da chave, e empurrou o Toro Loko para a lanterna, com apenas cinco pontos. Desta forma, a equipe de Bragança fica fora até mesmo da Sul-Americana.

Apesar da derrota, o Estudiantes termina a primeira fase na ponta do Grupo C, com 13 pontos. O vice é o Vélez, com oito. Já o Nacional, com sete, fica com a terceira colocação e a vaga na Sul-Americana. Na sexta-feira (27), às 13h, a Conmebol fará o sorteio para definição dos duelos das oitavas de final da Copa Libertadores e da Copa Sul-Americana.

Quem foi bem: Zabala é o garçom da noite

O meia do Nacional ditou o ritmo do ataque e levou muito perigo, especialmente nos cruzamentos pela esquerda. Com muita qualidade no passe, iniciou os lances dos gols da primeira etapa.

Quem foi mal: Andrés Hurtado deixa buraco na direita

De uma forma geral, todo time do Bragantino foi mal, principalmente os defensores, que não conseguiram controlar os contra-ataques do adversário. Andrés Hurtado foi quase nulo na marcação pela direita, permitindo que o Nacional criasse suas principais chances por ali.

Atuação do Bragantino: Perdido em campo

Apesar de ter mais posse de bola, o Massa Bruta pouco conseguiu criar. Por outro lado, em noite terrível de seu setor defensivo, sofreu muito com os contragolpes do Nacional, sofrendo dois gols ainda na primeira etapa. Sem forças para reagir, pressionou na volta do intervalo, contudo não teve sucesso.

Nacional marca no começo

Aos 8 minutos da primeira etapa, Trezza abriu o placar para os donos da casa. Zabala cruzou rasteiro da esquerda e Cleiton deu o rebote, facilitando a vida o meio-campista, que estava sozinho empurrou para a rede.

Braga não se acha

Com muitas falhas de marcação, o Massa Bruta permitiu que o clube uruguaio chegasse com perigo para marcar o segundo. Aos 11, Gigliotti recebeu em condição legal pela esquerda, avançou até a área e trouxe para o pé direito para soltar a bomba, espalmada por Cleiton.

Muita liberdade

Mais uma vez pela esquerda, a equipe de Montevidéu encontrou muito espaço para criar a jogada e abrir o placar. Carballo rolou para Zabala, que tocou rasteiro. Cándido aproveitou o vacilo da defesa e apareceu nas costas da zaga para fazer o segundo, aos 30.

Ytalo tem a melhor oportunidade

Apesar de ficar mais no campo ofensivo, o Braga tocou muito a bola e pouco ameaçou o goleiro Rochet. O único lance de mais perigo na primeira etapa veio aos 42 minutos, quando Ytalogirou dentro da área e bateu, mas o arqueiro saiu bem, fechando o ângulo, e conseguiu espalmar.

Replay do primeiro tempo

A etapa final teve cenário bem parecido com a inicial. O Bragantino ficava mais com a bola, mas quem levou perigo foi o Nacional nos contra-ataques.

Aos 10, Trezza tocou de peito para Zabala, mas ele colocou muita força na bola e mandou por cima da meta. Zabala ainda teve nova chance aos 17, quando tentou encobrir Cleiton, que defendeu sem dificuldades.

Cleiton salva, mas Nacional faz o terceiro de pênalti

O Nacional ainda teve grande chance de ampliar. Aos 31, o zagueiro brasileiro Léo Coelho driblou Natan dentro da área e rolou para a batida de Alex Castro, que parou em grande defesa do goleiro.

Pouco depois, Lucas Evangelista meteu a mão na bola dentro da área e, apesar da reclamação dos jogadores do Bragantino, o árbitro Wilmar Roldán conversou com o bandeira e confirmou a penalidade. Fagúndez bateu e a bola ainda tocou nas duas traves e nas costas de Cleiton antes de entrar.

Covid-19 castiga o Massa Bruta

O técnico Maurício Barbieri teve três baixas para montar o Bragantino. Os laterais Aderlan e Luan Cándido e o volante Raul, com covid-19, sequer viajaram com o restante do elenco para o Uruguai. Andrés Hurtado ficou com a vaga na lateral direita, enquanto Ramon assumiu o lado esquerdo. Por fim, Jadsom e Eric Ramires foram os volantes do Toro Loko.

Próximos jogos

Agora, o Bragantino volta suas atenções para o Brasileirão. Atualmente na 13ª colocação com nove pontos, o clube visita o Goiás neste sábado (28), às 16h30, pela oitava rodada do torneio.

Já o Nacional, vice-líder do Apertura com 25 pontos, recebe o Cerrito no sábado (28), às 20h.

FICHA TÉCNICA:

NACIONAL-URU 3 x 0 RED BULL BRAGANTINO
Competição:
Copa Libertadores da América - Sexta rodada do Grupo C
Data: 24 de maio de 2022, terça-feira
Horário: 19h15 (de Brasília)
Local: Estádio Parque Central, em Montevidéu (URU)
Árbitro: Wilmar Roldán (COL)
Assistentes: Alexander Guzman (COL) e Wilmar Navarro (COL)
Gols: Trezza, aos 8' do primeiro tempo (NAC), Cándido, aos 30' do primeiro tempo (NAC), Fagúndez, aos 38' do segundo tempo (NAC)
Cartões amarelos: Cándido, Lozano, Natan, Fagúndez (NAC); Praxedes, Helinho, Miguel,(BRA)

NACIONAL-URU: Sergio Rochet; Lozano (José Rodríguez), Léo Coelho, Nicolás Marichal e Camilo Cándido (Christian Almeida); Yonathan Rodríguez, Carballo, Alfonso Trezza e Zabala (Otormín); Castro (Fagúndez) e Emmanuel Gigliotti (Ignacio Ramírez). Técnico: Pablo Repetto.

RED BULL BRAGANTINO: Cleiton; Andrés Hurtado, Léo Ortiz, Natan (Jan Hurtado) e Ramon; Jadsom (Alerrandro), Eric Ramires (Lucas Evangelista) e Praxedes; Artur, Helinho e Ytalo (Miguel). Técnico: Maurício Barbieri.