PUBLICIDADE
Topo

SP: Ceni critica contrato de Pablo após gatilho por escalação no Brasileiro

Brunno Carvalho

Do UOL, em São Paulo

26/01/2022 14h18

Mesmo próxima do fim, a novela com Pablo ainda repercute no São Paulo. Em entrevista coletiva virtual hoje (26), o técnico Rogério Ceni se defendeu após ter escalado o atacante contra o Corinthians no Brasileirão do ano passado, o que acionou uma cláusula do contrato do jogador e obrigou uma renovação automática até o fim de 2023, além de um aumento de salário.

"O gatilho dispara por quem confecciona o contrato, não por quem escala o jogador em uma partida. Porque outros treinadores passaram aqui e ele precisava de 40 jogos para o gatilho disparar. Usaram ele em 39. Então não sou eu que usei ele em uma partida que disparou o gatilho. Não sei nem quem foi que redigiu esse contrato, mas quem redige o contrato é que dispara o gatilho", disse Ceni.

Pablo chegou ao São Paulo como a maior contratação da história do clube. O time do Morumbi desembolsou 6 milhões de euros para tirá-lo do Athletico. Mesmo tendo sido artilheiro do Tricolor em duas temporadas, o atacante não conseguiu cair nas graças da torcida e negocia a rescisão de seu contrato. A tendência é que ele volte para a equipe paranaense.

"Acho o Pablo um jogador interessante, se não fosse o São Paulo não teria adquirido seu passe. Talvez ele não tenha perfomado aqui, não só comigo, mas durante o espaçamento de tempo que ele esteve aqui com outros treinadores. Essa é uma decisão mais institucional. O Pablo tem um contrato com valores expressivos. Eu acho ainda que o Pablo tem tudo para jogar bem em outras equipes, acho que isso foi o momento, talvez não tenha dado certo aqui", prosseguiu Ceni.

As negociações entre Pablo e São Paulo avançaram nos últimos dias. O atacante aceitou abrir mão do que teria a receber até o fim de seu contrato contanto que o time do Morumbi pague os valores devidos a ele, que seriam R$ 2,5 milhões. Nas negociações, o estafe do jogador exigiu uma cláusula de proteção para caso o São Paulo não cumpra o combinado e fez questão que as parcelas se estendam no máximo até 31 de dezembro de 2023, quando terminaria o vínculo original.

Para a comissão técnica do São Paulo, Pablo já é passado. O atacante não foi inscrito no Campeonato Paulista e a camisa 9 utilizada por ele desde a chegada foi dada a Jonathan Calleri.