PUBLICIDADE
Topo

Seleção Brasileira

Concorrência aumenta e pressiona Gabriel Jesus a se firmar como 9 do Brasil

Gabriel Carneiro e Igor Siqueira

Do UOL, em São Paulo e Rio de Janeiro

11/11/2021 04h00

Classificação e Jogos

Gabriel Jesus fez o seu último gol com a camisa da seleção brasileira em julho de 2019, na final da Copa América. Desde então foram 15 partidas em branco, um número que o incomoda e coincide com a ascensão de outros atacantes nas listas de Tite. Hoje (11), às 21h30 (de Brasília), tem jogo contra a Colômbia na Neo Química Arena pelas Eliminatórias da Copa do Qatar e uma nova oportunidade para o atacante espantar o jejum e se firmar como titular.

Ponta-direita no Manchester City com nove participações em gol em 14 partidas na temporada, o jogador será usado como centroavante na seleção. Ele desempenhou essa função no ciclo para a Copa do Mundo da Rússia e ficou marcado por ter saído zerado do Mundial. Já na preparação para Qatar-2022 a maioria das chances foi exatamente na função que faz na Inglaterra.

O problema é que ele não convenceu e ainda viu de perto às chegadas de Antony e Raphinha nos jogos de outubro. Nessa conversa ainda estão um Vinicius Júnior protagonista do Real Madrid no começo da temporada e Richarlison, que só não foi convocado porque voltou de lesão recentemente e ainda está fora de ritmo. A concorrência na ponta aumentou, e o que "sobrou" foi a disputa para ser centroavante.

Gabigol tem sido o titular mais frequente dos últimos meses da posição, mas não foi convocado desta vez por causa de um acordo da CBF com os times brasileiros em reta final das competições. Já Matheus Cunha tem só duas partidas pela seleção, volta depois de um corte por lesão e vai ficar no banco. É a chance para o segundo jogo seguido de Gabriel Jesus como camisa 9.

Gabriel Jesus - Jason Cairnduff/Reuters - Jason Cairnduff/Reuters
Brasileiro tem cinco gols em 14 jogos da temporada europeia pelo Manchester City
Imagem: Jason Cairnduff/Reuters

O anterior foi a goleada por 4 a 1 sobre o Uruguai na Arena da Amazônia em que ele passou em branco —Neymar, Gabigol e Raphinha (duas vezes) marcaram. Mas para o técnico Tite o aspecto mais importante não é se o centroavante fez gol, e, sim, se ele acertou a finalização e gerou uma situação importante. Nesse sentido, Gabriel Jesus agrada: seus três chutes foram em direção ao gol de Muslera, um deles uma grande defesa do goleiro uruguaio após jogada de Neymar no comecinho do segundo tempo.

"Por vezes o fazer gol é de oportunidades que surgem. Vão aparecer. No último jogo [Uruguai] apareceu nas grandes defesas do Muslera com duas ou três finalizações precisas, que é o que eu cobro e o que o trabalho específico proporciona", diz o treinador, em defesa de Gabriel Jesus:

Ele é um atacante, ou 9 ou 7. Ou 9 de infiltração, do passe da profundidade, ou 7 de lado, como ponta, externo, agressivo, Ele tem as características para uma e outra e histórico na seleção em ambas desde que assumi. Ele tem essa versatilidade, virtudes físicas e técnicas para as duas funções."

Hoje à noite, Gabriel Jesus será o centroavante de uma formação ofensiva que envolve mais três peças: Raphinha como um ponta pela direita, Lucas Paquetá como um meia ofensivo pela esquerda e Neymar ora mais posicionado à esquerda, ora mais livre para buscar a posse de bola dos volantes e conduzir para criar as oportunidades de gol como um meia central. Os ajustes deste 4-2-4 que pode facilmente se transformar em 4-3-3 ou 4-4-2 também dependem da postura do adversário. A Colômbia, no caso, é um time de defesa forte, que vai impor dificuldades.

A única coisa que não depende de fatores externos é que a pressão sobre Gabriel Jesus a pouco mais de um ano da Copa do Mundo só aumenta.

FICHA TÉCNICA
BRASIL x COLÔMBIA

Competição: Eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo do Qatar (13ª rodada)
Local: Neo Química Arena, em São Paulo (SP)
Data/hora: 11 de novembro de 2021, quinta-feira, às 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Roberto Tobar (Chile)
Assistentes: Christian Schiemann e Claudio Rios (ambos do Chile)
VAR: German Delfino (Argentina)

BRASIL: Alisson; Danilo, Marquinhos, Thiago Silva e Alex Sandro; Casemiro e Fred; Raphinha, Gabriel Jesus, Neymar e Lucas Paquetá. Técnico: Tite.

COLÔMBIA: Ospina; Daniel Muñoz, Sánchez, Lucumí e Yairo Moreno; Wilmar Barrios e Cuellar; Cuadrado, James Rodríguez e Luis Díaz; Borja. Técnico: Reinaldo Rueda.

Seleção Brasileira