PUBLICIDADE
Topo

Santos

Carille precisa de "injeção de ânimo" para elenco do Santos se recuperar

Carille observa equipe do Santos no duelo diante do Juventude - Luiz Erbes/AGIF
Carille observa equipe do Santos no duelo diante do Juventude Imagem: Luiz Erbes/AGIF

Gabriela Brino

Colaboração para UOL, em Santos

28/09/2021 04h00

Classificação e Jogos

O técnico Fábio Carille precisará de uma "injeção de ânimo" no Santos para conseguir recuperar o elenco após a derrota contra o Juventude, na derrota por 3 a 0, no último domingo (26), pelo Campeonato Brasileiro.

O resultado, inclusive, não representou totalmente o desempenho do Santos naquela tarde. Carille conseguiu colocar em campo um time estruturado, ofensivo, organizado e perigoso. Tanto é que a primeira etapa foi de superioridade do Peixe.

Foram várias finalizações ao gol, mas por vezes o último passe não encaixou. O Juventude sofreu, sobretudo o goleiro Douglas, que foi muito exigido. Na ocasião, o Santos parecia muito mais próximo de abrir o placar, mas bastou uma brecha para o jogo virar de vez.

A bola aérea voltou a ser o ponto fraco santista. Wagner Leonardo subiu, mas não o suficiente para impedir Ricardo Bueno de abrir o placar. Após o primeiro gol, o Santos não foi mais o mesmo. Ficou exposto e se entregou às deficiências.

Carille, aliás, treinou de forma intensa a bola aérea durante a semana para não correr riscos, mas a insegurança desgastou os jogadores, que não conseguiram mais impor o jogo. Foram erros atrás de erros. A derrota foi decretada em 3 a 0, mas no primeiro gol sofrido a postura do Peixe já era de um jogo entregue.

O clima de "terra devastada" penetrou o ambiente. A volta para casa, inclusive, foi dominada pelo silêncio absoluto. A ponto de ser possível escutar respirações. Tensos por estarem longe do objetivo, os jogadores completaram dez jogos sem vencer. Estão há quatro sem gritar gol.

Sem lideranças em campo, Carille está tomando as rédeas no dia a dia. Segundo apurou o UOL Esporte, a ideia é realizar novos testes nesta semana. Sacudir o grupo, alertar para a responsabilidade. Jobson, por exemplo, pode treinar entre os titulares, Madson deve voltar à lateral direita, enquanto o ataque pode ter Tardelli como novidade.

Santos