PUBLICIDADE
Topo

Série B - 2021

Botafogo e Vasco fazem o primeiro clássico na dura realidade na Série B

Vasco e Botafogo se enfrentaram pela final da Taça Rio - Vítor Silva/ BFR
Vasco e Botafogo se enfrentaram pela final da Taça Rio Imagem: Vítor Silva/ BFR

Do UOL, no Rio de Janeiro

31/07/2021 04h00

Classificação e Jogos

O duelo entre rivais cariocas que atende pelo apelido de Clássico da Amizade será disputado pela primeira vez no tenso e hostil ambiente da Série B. De tão "amigos", Botafogo e Vasco foram rebaixados juntos no ano passado e têm objetivo semelhante na temporada 2021: reconstrução e acesso à Série A. A bola rola hoje (31), às 21h, no estádio Nilton Santos.

Mas o cenário na segunda divisão é complicado para ambos. Nunca na história dos 350 jogos anteriores o cenário foi tão difícil — O Vasco tem 150 vitórias, contra 96 do Botafogo. Houve 104 empates.

A necessidade de pontos e de uma melhor colocação na tabela após a 15ª rodada afasta a hipótese de camaradagem dentro de campo. O Vasco tem situação menos tensa porque está melhor posicionado, com 22 pontos, mais próximo do G4. Quando a rodada começou, a distância para a zona de acesso era de dois pontos. O Botafogo acumulou desempenho pior até o momento, somando 19 pontos.

Há muitas coincidências na história recente de Botafogo e Vasco e nos passos que eles desenharam para si mesmos.

Ambos estão com técnicos há pouco tempo no cargo. Lisca estreou no Vasco semana passada, com a vitória por 4 a 1 sobre o Guarani. No mesmo dia, Enderson Moreira fez seu primeiro jogo como técnico do Botafogo e venceu o Confiança por 1 a 0, apesar de ter sido expulso.

"Sabemos que será muito difícil, o Vasco tem uma equipe qualificada com bons jogadores. O Lisca também é um bom treinador, já trabalhei com ele e sei que cobra bastante as equipes que trabalha. Estamos atentos a tudo isso para fazermos um grande jogo e buscarmos o resultado", disse o zagueiro Gilvan, do Botafogo.

Na questão administrativa, os dois rivais passam por uma fase de adaptação da nova gestão. Tanto Jorge Salgado quanto Durcesio Mello têm pouco mais de seis meses na presidência e uma tarefa de reestruturação financeira que vem acompanhada da missão de montar um time competitivo.

Os dois clubes apostaram em estratégias para profissionalizar a gestão, contratando CEOs que já trocaram figurinhas anteriormente. Ambos os clubes "cortaram na carne", demitindo funcionários em massa para tentar reduzir custos operacionais.

O Vasco, inclusive, divulgou um documento com o balanço das ações feitas até o momento. Entre os itens citados por Salgado estão "reformulação completa da estrutura de trabalho e dos controles de gestão do futebol", assim como redução de custos. A presidência coloca como "em andamento" a meta de "melhora na parte esportiva e competitividade".