PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Clubes do Catarinense prometem ir à Ancine e Justiça após calote de TV paga

Valdívia é um dos destaques do Avaí no Campeonato Catarinense de futebol - Divulgação/Avaí
Valdívia é um dos destaques do Avaí no Campeonato Catarinense de futebol Imagem: Divulgação/Avaí

Gabriel Vaquer e Thiago Fernandes

Do UOL, em Aracaju e São Paulo

06/04/2021 04h00

Depois de descumprir o contrato, a TV Walter Abrahão tentou parcelar a compra dos direitos de transmissão do Campeonato Catarinense em dez vezes. O contrato, avaliado em R$ 1,2 milhão, estabelecia o pagamento à vista aos clubes em 30 de março de 2021. Entretanto, a emissora ignorou o prazo e deu calote no negócio.

Antes de o contrato ser suspenso, a SCClubes (Associação de Clubes de Santa Catarina) tentou acordo com a TV Walter Abrahão. Foi feita uma oferta com desconto de 50%, o que significaria o pagamento de R$ 600 mil à vista. Diante da recusa da emissora, os clubes propuseram que o valor já descontado fosse dividido em três prestações. A primeira com o pagamento de 50% do novo acordo — R$ 300 mil.

A segunda e a terceira seriam com o depósito de 25% do montante total, R$ 150 mil cada. A emissora, contudo, recusou a proposta e se manteve firme na ideia de parcelar o valor em dez prestações, o que foi descartado pelos clubes.

Até o momento, a TV WA transmitiu seis rodadas do Estadual e um jogo da Recopa de Santa Catarina. O único pagamento feito pela emissora foi da partida da Recopa. Na ocasião, foi desembolsado R$ 50 mil pela transmissão.

Um dos argumentos da TV WA para não cumprir o acordo foram questões comerciais. Diretores envolvidos argumentam que a paralisação do Estadual no início de março prejudicou os negócios. Com a pandemia de Covid-19, ficou difícil negociar com possíveis clientes.

Agora, a Associação de Clubes de Santa Catarina prepara ação judicial, com todas as provas das negociações para cobrar o valor da empresa de comunicação. O objetivo é denunciar a TV WA à Ancine (Agência Nacional de Cinema). A TV só está nas operadoras pagas por ser classificada como canal brasileiro de conteúdo nacional qualificado, segundo a Lei da TV paga.

Ou seja, a TV WA precisa ser carregado para que operadoras cumpram sua cota de conteúdo nacional. A SCClubes entende que tal calote pode fazer com que a emissora seja desqualificada neste sentido.

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, também será procurado pelos clubes para que fazer reclamação formal sobre a emissora. O dono da empresa, Walter Abrahão Filho, é apoiador do governo federal.

Procurado no último domingo (4) para falar sobre o assunto, Walter Abrahão Filho afirmou que estava afastado da TV WA por causa da pandemia do novo coronarívus. Mas confirmou que houve pagamento por partidas iniciais. A reportagem procurou Bethel Lombardi, executivo da emissora indicado pelo próprio dono, para se pronunciar sobre o assunto, mas ele não respondeu os contatos feitos pela reportagem.

Futebol