PUBLICIDADE
Topo

Saldão? Os medalhões que devem deixar o Cruzeiro no mercado da bola

Thiago Neves terminou ano afastado no Cruzeiro; Robinho também foi criticado, mas lesão pode dificultar saída - Thomás Santos/AGIF
Thiago Neves terminou ano afastado no Cruzeiro; Robinho também foi criticado, mas lesão pode dificultar saída Imagem: Thomás Santos/AGIF

Enrico Bruno e Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

10/12/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Jogadores como Thiago Neves e Edilson não estão com clima para permanecer
  • Outros como Fred e Dedé podem sair por causa dos altos salários recebidos
  • Pedro Rocha termina contrato de empréstimo e Cruzeiro não exercerá direito de compra
  • Marquinhos Gabriel e Sassá também não estão com permanência garantida
  • Adilson Batista quer contar com alguns pilares, como Fábio, Henrique e Léo
Classificação e Jogos

O mercado da bola do Cruzeiro deve ser agitado neste final de ano. Com dificuldades financeiras e precisando se adaptar à nova realidade de 2020, o clube deverá se desfazer de alguns medalhões. Os altos salários são o principal motivo para uma reformulação no elenco. Além disso, o futebol aquém do apresentado pela maioria deles também dificulta a permanência de alguns nomes bastante conhecidos do futebol brasileiro. Veja abaixo alguns jogadores que podem deixar a Raposa a partir de agora.

Thiago Neves: o meia encabeça a lista de prováveis saídas. Mesmo com contrato até 2020, Thiago foi afastado no final desta temporada e acabou virando o jogador símbolo do rebaixamento, despertando a ira da torcida e entrando em rota de colisão com o gestor de futebol, Zezé Perrella. O camisa 10 revelou que foi procurado pela diretoria para fazer o último jogo do ano e disse que aceitaria reduzir seu salário para jogar a Série B, mas a tendência é que Thiago seja negociado com algum clube ou que faça um acordo amigável para deixar o Cruzeiro.

Fred: o atacante tem mais um ano de contrato, mas encerrou sua segunda temporada de forma decepcionante. Artilheiro no início do ano, com média de quase um gol por jogo, Fred terminou 2019 na reserva e entre os primeiros na lista de mais criticados pela torcida. Apesar da queda brusca de rendimento, o principal entrave para manter o atacante é o salário que supera R$ 1 milhão.

Edilson: o lateral é um dos jogadores mais bem remunerados em sua posição, mas passou o segundo ano sem render o esperado no lado direito. Em relação ao ano passado, Edilson teve um 2019 ainda pior, já que perdeu a titularidade no meio do ano e deverá seguir na reserva, se o colombiano Orejuela permanecer na equipe. Ao lado dos companheiros já citados, Edilson também está entre os atletas mais criticados do elenco e teve seu nome citado como um dos apontados pela saída de Rogério Ceni do clube, episódio que marcou muito a trajetória do Cruzeiro na Série A.

Bruno Haddad/Cruzeiro
Imagem: Bruno Haddad/Cruzeiro

Pedro Rocha: emprestado pelo Spartak Moscou até o final do ano, o atacante deverá voltar para a Rússia ou encontrar outro clube. Sem dinheiro, o Cruzeiro não exercerá sua prioridade de compra.

Dedé: o zagueiro é outro com contrato longo (até 2021) e salário alto. Ídolo da torcida nos últimos anos, ficou com sua imagem arranhada no episódio que culminou a saída de Rogério Ceni. Cobiçado no início do ano, tem chance de se despedir do clube se pintar novas propostas.

Marquinhos Gabriel e Sassá: a dupla também não pode ser descartada em uma eventual lista de jogadores negociáveis do Cruzeiro. Nenhum deles foi titular absoluto no ano, e correm o risco de deixar a equipe, novamente pela necessidade de enxugar os gastos.

Medalhões que podem ficar: apesar da intenção de fazer a limpa, alguns nomes conhecidos devem ficar e formar a espinha dorsal do novo Cruzeiro. O goleiro Fábio (39 anos), o zagueiro Léo (31) e o volante e capitão Henrique (34) são considerados homens de confiança de Adilson Batista. O problema é que a alta idade do trio pode interferir no futuro de outros atletas.

Fábio tem a opção de pendurar as chuteiras, mas uma eventual permanência pode fazer com que o reserva Rafael, de 30 anos, procure um novo destino para jogar. Além disso, o clube também terá que contar com dois jogadores tarimbados por motivos diferentes. Rodriguinho chegou ao Cruzeiro neste ano, mas passou grande parte do segundo semestre machucado, e está sendo preparado para voltar em 2020. Outro que deve ficar é Robinho. Apesar de ser um dos mais criticados do elenco, o meia está lesionado e tem previsão de retorno entre abril e junho, o que dificultaria qualquer assédio de outra equipe.

Cruzeiro