Topo

Brasileirão - 2019


Como foi a apresentação de Gaciba após deputados questionarem o VAR

Reprodução
Imagem: Reprodução

José Edgar de Matos e Pedro Ivo Almeida

Do UOL, em São Paulo (SP)

22/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Em sessão com deputados, Leonardo Gaciba, presidente da comissão de arbitragem da CBF, usou dados estatísticos para defender o VAR.
  • Gaciba ressaltou a diminuição no número de erros e como o VAR atuou nos primeiros 320 jogos da Série A.
  • Em 32 rodadas, 1986 lances foram chegados ou revisados, média de 6,21 por partida.
  • Foram 188 revisões na cabine do VAR após as 32 primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro.
  • Gaciba se mostrou favorável a divulgar os áudios das conversas entre a cabine do VAR e os árbitros.
  • O ex-árbitro ainda revelou que 100% das checagens são armazenadas pela própria CBF.

Presidente da comissão de arbitragem da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Leonardo Gaciba permaneceu quase três na Câmara dos Deputados, em Brasília, para defender a utilização do árbitro de vídeo no Campeonato Brasileiro. Antes de responder aos questionamentos, o dirigente da entidade brasileira fez uma apresentação de quase uma hora para valorizar os resultados do recurso tecnológico até a 32ª rodada da Série A.

Convocado pelo Deputado Luizinho (PP), responsável pelo Projeto de Lei 5572/19, que propõe a divulgação na íntegra das conversas entre o VAR e o árbitro de campo, Gaciba se apoiou em números para defender o sucesso da tecnologia em seu primeiro ano de apliação na competição nacional.

As estatísticas do VAR:

  • 320 jogos: 1986 checagens e revisões (6,21 lances por partida são considerados jogada para checagem e revisão);
  • 1798 (90,5%) checagens, com 188 (9,5%) revisões

Checagens
Média de 5,62 por partida: 863 gols (48%), 608 pênaltis (33,8%), 307 cartões vermelhos (17,1%), Erro de identificação 16 (0,9%)

Revisões (quando árbitro de vídeo sugere revisão na tela)
Média de 0,59 por jogo: 83 pênaltis (44,1%), 70 gols (37,2%), 31 cartões vermelhos (16,5%) e 4 erros de identificação (2,1%)

  • Média de 1min49s parado
  • Situação de pênalti: índice de acerto - com VAR 94,10% e sem 65,23% (56 erros capitais corrigidos).
  • Situação de impedimento: sem o VAR 87,5% e com o VAR 93,9%, 48 erros capitais corrigidos no Brasileiro.

Erros capitais em 320 jogos de 2018: 161
Erros capitais em 320 jogos de 2019: 30

Atuação do VAR: 156 no total

  • Impedimento corrigido para gol: 23
  • Gol validado anulado por impedimento: 25
  • Pênalti marcado após revisão: 45
  • Pênalti desmarcado após revisão: 11
  • Gol anulado por mão do atacante: 6
  • Cartão Vermelho aplicado após revisão: 19
  • Cartão Vermelho retirado após revisão: 7
  • Erro de identificação corrigido: 4
  • Adiantamento de goleiro em pênalti: 2
  • Falta em fase de ataque: 12
  • Gol validado por não contato com a mão: 2

Decisões capitais sem o VAR 78,3%
Com o Var: 98,3%

O principal questionamento sobre Leonardo Gaciba se direcionava à divulgação dos áudios envolvendo a cabine do VAR e o árbitro de campo. O deputado Luizinho cobrou uma posição sobre o assunto ainda antes da apresentação e recebeu uma resposta positiva do ex-árbitro Fifa, hoje diretor da classe na CBF.

"Não vejo problema algum de fazer a divulgação destes áudios", comentou Gaciba, sempre destacando que o VAR é novidade também para os próprios profissionais envolvidos com a arbitragem, por estar no primeiro ano de funcionamento.

Para os deputados, Gaciba revelou que 100% das checagens são armazenadas pela própria CBF. Todos os vídeos e áudios de conversa ainda são enviados, como parte do protocolo, para a IFAB (International Football Association Board).

Os clubes, por intermédio de presidente ou representante, ainda podem verificar as jogadas na sede da entidade, desde que estejam diretamente envolvidos. Ainda na mesma apresentação, a CBF afirmou que 94,1% de mais de 500 pessoas de 17 times da Série A aprovam a continuidade do recurso para 2020.