Topo

Inter volta a sofrer com bola aérea e ganha novo problema na zaga

Rodrigo Dourado segue fora do time e bola aérea defensiva preocupa o Inter - Daniel Vorley/AGIF
Rodrigo Dourado segue fora do time e bola aérea defensiva preocupa o Inter Imagem: Daniel Vorley/AGIF

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

21/07/2019 04h00

O Internacional sofre com um problema crônico em 2019: a bola aérea defensiva. Dos 28 gols sofridos pelo Colorado na temporada, 12 foram desta forma. O último foi o empate do Grêmio no clássico de sábado, marcado por Luan. E a defesa ainda ganhou um novo problema.

São 42,8% dos gols sofridos pelo Inter originados em jogadas da mesma forma. Cruzamento pelo alto com conclusão do adversário. Seja em cobrança de falta, escanteio, lateral ou mesmo com a bola rolando, como ocorreu no Gre-Nal 421.

E a dificuldade se apresenta ainda maior daqui para frente. Roberto para por 10 dias com uma lesão muscular, Emerson Santos deixou o clássico Gre-Nal ainda no primeiro tempo com suspeita de lesão muscular e será reavaliado, sobrando apenas Klaus como alternativa para a dupla de zaga titular, formada por Moledo e Cuesta.

"E o Klaus tinha sofrido um desconforto no dia anterior", disse o técnico Odair Hellmann após o clássico. "Ele vinha de uma parada muito grande, não apenas de jogos, mas de ir para as partidas, até para o banco", completou.

Além disso, Rodrigo Dourado, que tem por característica participar da bola aérea defensiva, segue fora em razão de problemas no joelho esquerdo e não estará em campo na próxima quarta-feira contra o Nacional, do Uruguai.

"O Dourado está fora, ele precisa tratar para ficar 100%. Quando ele estiver totalmente em condições, eu vou avaliar. Enquanto isso, o Lindoso segue jogando. E lá quando ele estiver 100% novamente será uma escolha que terei que fazer", afirmou o treinador do Inter.

Lindoso, que dá qualidade na saída de bola e potencial ofensivo ao time, porém, não tem a mesma imposição por cima que Dourado. É mais baixo e participa menos deste tipo de jogada. Da mesma forma, os laterais do Inter não são jogadores altos ou possuem no embate por cima a principal característica.

Conter os adversários neste quesito acaba sendo tarefa de Moledo, que volta ao time após não participar do Gre-Nal, e Cuesta, que atuou durante os 90 minutos. Paolo Guerrero também auxilia em escanteios e faltas, mas como é centroavante não costuma estar presente no setor defensivo.

O Inter encara o Nacional em Montevidéu na próxima quarta-feira em jogo de ida das oitavas de final da Libertadores.