Topo

Barroca faz 1º jogo internacional e busca afirmação após tropeço com Bota

Pontapé inicial! Eduardo Barroca comandará primeira partida em competição internacional - Vitor Silva/Botafogo
Pontapé inicial! Eduardo Barroca comandará primeira partida em competição internacional Imagem: Vitor Silva/Botafogo

Alexandre Araújo

Do UOL, no Rio de Janeiro

21/05/2019 04h00

Pouco mais de um mês depois de assumir o primeiro desafio como técnico de um time profissional, Eduardo Barroca tem uma nova "primeira vez" pela frente. O duelo entre Botafogo e Sol de América, do Paraguai, vai marcar a estreia dele à beira do campo em uma competição internacional. O confronto de amanhã (21) é o primeiro válido pela segunda fase da Copa Sul-Americana.

Até o momento, o início de trabalho em General Severiano foi bem-sucedido, com 60% de aproveitamento. Agora, no entanto, o desafio é evitar a oscilação e reafirmar o bom trabalho após um tropeço no Campeonato Brasileiro.

O treinador teve poucos dias para fazer o elenco esquecer a derrota para o Goiás, pelo Brasileiro e focar na Sul-Americana. Porém, o lateral-direito Fernando, outro que vai debutar neste tipo de torneio, ressalta que o grupo vai com vontade de conquistar o triunfo e dar importante passo para avançar.

"Estou muito feliz por esse primeiro jogo internacional. Vai ser um jogo difícil, em um campeonato que queremos chegar longe. Independentemente do adversário, futebol é dentro de campo. Temos de jogar bem e buscar o resultado positivo", disse.

Já o lateral-esquerdo Jonathan, outro jovem jogador, revelou um pedido de Barroca ao elenco: deixar a ansiedade de lado.

"Sabemos que a Sul-Americana é difícil, mas estamos trabalhando muito em busca dos resultados. O Barroca nos pediu para ir com a cabeça tranquila e se Deus quiser vamos sair de lá com o resultado positivo", apontou.

Vale ressaltar, porém, que esta não será a primeira experiência internacional de Barroca. O técnico alvinegro já foi auxiliar de Rogério Micale na seleção brasileira Sub-20 na edição do Sul-Americano da categoria que aconteceu no começo de 2017, no Equador. À época, ele reeditou a dupla que já havia sido formada no quadrangular de seleções do Chile, realizado em 2016 e do qual o Brasil se sagrou campeão. Além disso, esteve na comissão técnica de Eduardo Hungaro na disputa da Libertadores de 2014.

Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

Após a convocação, Barroca e falou sobre as vantagens que a vivencia na competição poderia trazer.

"Tive a oportunidade de ser convocado e participar do quadrangular de seleções no Chile, foi muito legal. Me identifiquei muito com as ideias que estão sendo implementadas na seleção, gostei do que está sendo feito pelo Micale e pelo Erasmo Damiani (Coordenador de seleções). Acho que está sendo feito um trabalho bastante sério e criterioso na base. Um dos meus objetivos é aproveitar que o Botafogo está me cedendo para viver essa experiência para, posteriormente, trazer essas vivências para dentro do Botafogo, além de ter referências dos principais jogadores do pais e, principalmente, saber o que está sendo feito no exterior para tentar trazer para a nossa realidade", contou ao site oficial, na ocasião.