PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Médico conversa com Cuca após interesse do SP e veta liberação imediata

Dr. Constantini ao lado de Cuca: sem concessões para diminuir o descanso - Arquivo Pessoal
Dr. Constantini ao lado de Cuca: sem concessões para diminuir o descanso Imagem: Arquivo Pessoal

Bruno Grossi

Do UOL, em São Paulo (SP)

14/02/2019 15h40

O São Paulo anunciou a contratação do técnico Cuca e disse que o técnico assumirá o time após o Campeonato Paulista, que termina no fim de abril. Porém, o Dr. Constantino Constantini, responsável pelo tratamento cardiológico do treinador iniciado após a passagem pelo Santos, afirmou que o plano é o técnico voltar em quatro meses. O combinado desde a operação, ocorrida em dezembro do ano passado, afastaria o treinador de qualquer atividade por 180 dias.

Leia mais

Cuca passou por cirurgia no dia 6 de dezembro de 2018. O prazo total de recuperação é de seis meses. Desta forma, o treinador poderia retornar ao posto somente no início de junho.

Em entrevista concedida hoje ao UOL Esporte, Dr. Constantini reiterou a posição acertada ainda no ano passado. O treinador e o empresário Eduardo Uram, que cuida da carreira de Cuca, conversaram com o médico ontem, antes do acerto com o São Paulo, e ouviram a firme posição de que ainda restam mais um longo período de descanso.

"Concessão de minha parte médica, eu não faço. Primeiro vem a saúde do ser-humano, depois a família. Só depois disso vem o profissional. (...) Se ele conseguir se controlar e fazer a coisa com o equilíbrio, aí ele pode assumir depois de seis meses. Eu seria o primeiro a liberá-lo. Se o Cuca fizer a parte dele, excelente. Se não fizer, adeus, procure outro médico", comentou.

"A saúde vem primeiro, depois o resto. Combinamos tudo isso ontem, falei com uma pessoa muito querida, o Eduardo [Uram, agente do treinador]. Se cumprir todo o tratamento, ele volta em seis meses. Não tem mistério e nada que possa mudar minha percepção de médico e paciente", acrescentou.

"Se ele saiu do Santos por não se sentir bem e teve o problema, combinamos que são seis meses de observação, tratamento e disciplina. Ele pode continuar a trabalhar, mas fazendo a coisa bem-feita. Quero ter o paciente em boas condições com a família, filhos e netos", ratificou o médico.

"Ele [Cuca] me prometeu que teria seis meses de descanso, e até agora foram dois. Sou médico de fazer trato, então espero que ele fique seis meses. Combinamos este período e valorizo este acordo com o paciente. Falei para ele: se você não se cuidar, vai ter uma qualidade de vida pior. Se não fizer sua parte naqueles seis meses que combinamos, não seria mais seu médico", finalizou.

A diretoria do São Paulo fechou com Cuca após a eliminação na Copa Libertadores. André Jardine continua no clube, mas deixa o cargo de treinador após o empate sem gols de ontem com o Talleres, no Morumbi, que decretou o maior vexame são-paulino no torneio continental.

PVC critica dirigentes do São Paulo na demissão de Jardine

UOL Esporte

Futebol