PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Fagner quer Corinthians "chato de novo" para sofrer poucos gols em 2019

Lateral cobra solidez para que o Alvinegro sofra menos gols no ano que vem - Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians
Lateral cobra solidez para que o Alvinegro sofra menos gols no ano que vem Imagem: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

Arthur Sandes

Do UOL, em São Paulo

09/12/2018 04h00

Titular mais longevo do Corinthians, Fagner segue como um dos pilares do elenco para a temporada que vem. Após meses difíceis para o clube, o lateral fala em entrevista ao UOL Esporte da necessidade de um plano de jogo mais coeso e pede que o Alvinegro volte a ser incômodo aos adversários, mas exalta 2018 como um ano especial em sua carreira.

"O Corinthians precisa voltar a ser aquele time chato, sólido, que nos últimos anos teve como característica sofrer poucos gols. Muitas vezes ganhar de 1 a 0, sofrendo poucos gols e tendo a melhor defesa. Perdemos um pouco disso neste ano, até por tudo o que aconteceu", admite o lateral direito, referindo-se às saídas de muitos jogadores e até da comissão técnica durante a temporada. "São pontos em que temos que melhorar em 2019: voltar a ser uma equipe vitoriosa, consistente. Que no próximo ano o Corinthians volte a ser sólido", repete Fagner.

A cobrança tem razão de ser. Na campanha do heptacampeonato, em 2017, foram dez vitórias do Corinthians pelo placar de 1 a 0 (quase metade do total de 21). Já no Campeonato Brasileiro recém-encerrado este número caiu para quatro (de 11 no total). Os números tornam a má fase palpável: foram 47 gols sofridos no ano passado e 60 neste, um crescimento de 22%. Em resumo, a equipe desandou.

Neste sentido, o retorno de Fábio Carille e seus auxiliares é uma tentativa de reorganizar o departamento de futebol para retomar as condições que levaram ao título brasileiro de 2017, por exemplo. O técnico começou o ano no Corinthians, saiu em maio para a Arábia Saudita e agora volta sete meses depois. Neste período, Osmar Loss e Jair Ventura tiveram dificuldades à frente do elenco.

"Todos [os técnicos] são diferentes. Cada um tem seus métodos, suas ideias. Nós atletas temos que tentar entender o mais rápido possível e colocar em prática. Este ano foi difícil, principalmente o Campeonato Brasileiro, mas tudo serve como aprendizado para que no próximo ano não aconteça", entende Fagner.

O clube teve aproveitamento bom no mata-mata, tendo sido campeão paulista e chegado à final da Copa do Brasil; nos pontos corridos, no entanto, a história foi outra. O Corinthians não funcionou com Loss ou Jair, e a péssima reta final de temporada quase culminou no rebaixamento à Série B. Apesar de tudo isso, Fagner elege 2018 como inesquecível - e o motivo é óbvio.

"Este ano foi especial para mim, muito bom, não tenho do que reclamar", celebra o lateral, que foi à Rússia com a seleção brasileira e foi titular em quatro partidas da Copa do Mundo. Para Fagner, no entanto, ano novo é vida nova. "Que 2019 seja melhor do que 2018, quero um ano melhor, com mais títulos e mais jogos; ainda melhor do que este", espera.

Futebol