PUBLICIDADE
Topo

Futebol

O que Marquezine tem a ver com a mudança de postura de Neymar

Bruna Marquezine e Neymar curtem festa após vitória do Brasil no Itaquerão - Claudio Augusto/Brazil News
Bruna Marquezine e Neymar curtem festa após vitória do Brasil no Itaquerão Imagem: Claudio Augusto/Brazil News

Pedro Ivo Almeida

Do UOL, no Rio de Janeiro

30/03/2017 04h00

Neymar mudou. Após o sonhado ouro olímpico, o craque reencontrou o bom futebol na seleção principal e liderou o Brasil na sequência de oito jogos invictos pelas Eliminatórias que garantiu a vaga na Copa do Mundo de 2018, na Rússia. Motivos não faltam para explicar a ascensão do atacante que vinha sendo questionado após meses em que colecionava mais cartões e confusões que gols com a camisa amarela.

Mais solto em campo e escalado por Tite em posição semelhante à que joga no Barcelona, balançou as redes seis vezes e deu mais seis assistências na era invicta sob o comando do novo técnico. Uma situação, no entanto, se destaca e é apontada por pessoas próximas como fundamental para a virada: o retorno de seu relacionamento com a atriz Bruna Marquezine.

Encerrado após a Copa de 2014, o namoro entre os dois foi retomado durante os Jogos Olímpicos de 2016. Na final, Neymar não escondeu o carinho pela amada e abraçou Marquezine nas arquibancadas do Maracanã após a vitória sobre a Alemanha nos pênaltis. Desde então, o atacante mostrou outro comportamento. Não apenas nos campos.

Neymar e Marquezine no Maracanã - Rio-2016 - Reprodução - Reprodução
Neymar e Marquezine se abraçam após conquista do ouro olímpico no Maracanã
Imagem: Reprodução

Amigos dos dois lados revelam que Bruna foi responsável direta por tranquilizar um inquieto Neymar. Companheiros do jogador confirmam. Desde 2014, o craque da seleção e do Barcelona não digeria bem a distância para a atriz.

No segundo semestre de 2016, com o namoro já restabelecido, Marquezine viajou para a Espanha e passou alguns dias na casa do amado. Era a tranquilidade fora de campo que Neymar precisava para voltar a brilhar dentro das quatro linhas.

Mais calmo, o jogador abandonou a rotina de festas – inclusive quando vinha ao Brasil. O ciúme de Bruna chegou a ser determinante no término do primeiro período que estiveram juntos.

Em paz, Neymar deixou de ser um simples coadjuvante de Messi no Barcelona e voltou a comandar a seleção. As vitórias e boas atuações foram vistas novamente no último mês, tanto com a camisa do clube catalão quanto sob o comando de Tite no Brasil.

Gols de Brasil x Paraguai nas eliminatórias para Copa da Rússia

UOL Esporte

Fim do silêncio

E até mesmo os holofotes, evitados por Neymar desde os Jogos Olímpicos, reapareceram. Em sua primeira coletiva desde o ouro no Rio de Janeiro, ele comentou a nova e tranquila fase.

“Estou ficando cada vez mais velho, a gente recebe muitos conselhos na carreira. Agora a gente fica feliz que as coisas vêm dando certo. Apoio dos meus familiares, agora conseguindo jogar e agradando o povo brasileiro. Todo mundo precisa de um tempo para pensar, para ter calma, baixar a poeira. Todos aqui na sala têm seu momento que quer ficar sozinho, e eu tive meu momento de ter calma, de não falar nada, de ficar um pouco mais quieto e só jogar futebol”, disse o tranquilo Neymar.

Na última terça-feira (28), na vitória sobre o Paraguai por 3 a 0, um resumo da nova fase. Caçado em campo, não reagiu às provocações dos adversários. Mais que isso, deu o "troco" com a bola, fazendo um golaço e comandando o triunfo que levou a seleção ao Mundial da Rússia. Ao fim, rápida entrevista na zona mista, rompendo o silêncio de meses no local, e festa nos braços de Bruna Marquezine em um evento no estacionamento da Arena Corinthians.

Futebol