PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Uruguai tem dia de crise no futebol e até Copa ficou ameaçada

Newell"s Old Boys e Nacional se enfrentaram pela Libertadores em Montevidéu, em jogo que acabou em pancadaria - Iván Franco/EFE
Newell's Old Boys e Nacional se enfrentaram pela Libertadores em Montevidéu, em jogo que acabou em pancadaria Imagem: Iván Franco/EFE

Do UOL, em São Paulo

31/03/2014 17h17Atualizada em 31/03/2014 22h51

O futebol uruguaio ficou sem dirigentes nesta segunda-feira. Numa queda de braço com o presidente do país, José Mujica, o presidente da Associação Uruguaia de Futebol (AUF), Sebastián Bauzá, e todo o conselho executivo da organização se demitiram.

Na nota em que anunciaram a saída, os dirigentes escreveram aos presidentes de clubes reclamando que, por impedimentos políticos, não tinham condições de tomar decisões para beneficiar o futebol. Segundo os cartolas, não há como governar o esporte nessas condições. A nota deixa subentendido que a renúncia é por dificuldades com o governo do país.

O jornal uruguaio El País revelou que a crise no futebol no país seria analisada pela FIFA. A organização investigaria se o governo manobrou para forçar a saída de Bauzá da presidência da AUF, com o objetivo de favorecer um grupo empresarial próximo ao governo.

Se as denúncias procederem, a Associação Uruguaia de Futebol pode ter sua afiliação suspensa pela Fifa. Isso deixaria a seleção celeste fora da Copa do Mundo.

O presidente da Conmebol, Eugenio Figueredo, no entanto, disse não saber de nenhuma investigação. O dirigente falou que essa possibilidade de a Fifa punir o Uruguai não passa de rumor. “Eu não acho que o lugar do Uruguai na Copa está em risco”, disse à Reuters.

O gatilho da crise foi o jogo entre Nacional-URU e o argentino Newell’s Old Boys, pela Taça Libertadores, Na quarta-feira (28). A partida terminou com um quebra-quebra na arquibancada. Treze policiais foram feridos, 40 torcedores detidos e muitas cadeiras quebradas. O Nacional foi eliminado da competição com um jogo de antecedência.

Depois do jogo, o presidente do país, José Mujica, proibiu a polícia de fazer a segurança dos estádios Centenário e Parque Central, dois principais palcos do futebol no país e casas dos dois maiores times, Peñarol e Nacional, até que os clubes tomassem providências contra as torcidas organizadas, conhecidas como barra-bravas.

O Peñarol tinha jogo marcado para domingo (30) contra o Miramar, que teve que ser adiado, porque o sindicato de jogadores temia pela segurança dos profissionais num estádio sem polícia. A solução encontrada pelo clube de Montevidéu para não paralisar o campeonato seria jogar a partida do fim de semana nesta terça-feira, em outro estádio.

Mas uma declaração do governo deu a entender que a polícia não poderia fazer a segurança de nenhuma partida envolvendo as duas grandes torcidas do país.

Como as negociações da AUF com o governo não avançaram e os dirigentes renunciaram ao meio-dia desta segunda-feira (31), agora o futebol uruguaio está submerso numa cortina de fumaça.

Para piorar a crise, a Comissão Disciplinar da Conmebol abriu processo por indisciplina contra sete clubes do país. São eles: Miramar Missiones, El Tanque Sisley, Cerro Largo, Cerro, Rentistas, Juventud e Racing.

Eles entraram na justiça comum contra a confederação, pedindo uma investigação sobre o uso do dinheiro dos direitos de transmissão da Copas Sul-Americana e Libertadores.

A Fifa e a Conmebol consideram essa atitude uma falha grave, porque ameaçam as entidades, segundo a Conmebol, “para satisfazer exclusivamente interesses comerciais”, o que é proibido pelos estatutos da confederação sul-americana.  

Os times uruguaios já não vinham bem na Libertadores – com Peñarol e Nacional eliminados, o único que vem com boas chances na competição é o Defensor Sporting. Mas a crise que se abateu sobre o futebol bicampeão do mundo neste início de semana ameaça bem mais o esporte que a má fase dos clubes.

O jogo entre Peñarol e Miramar, que, até a tarde, estava marcado para terça-feira, foi novamente adiado. O Peñarol já se preparava para adiar o jogo de sexta contra o Sud America em 24 horas. Ele ainda tem marcada a partida de inauguração do Beira-Rio, em Porto Alegre, contra o Inter, domingo. 

Também foram canceladas mais duas partidas do campeonato uruguaio: Rentistas contra River Plate e Juventud e Fénix.

Futebol