PUBLICIDADE
Topo

O dia em que Rakitic enfrentou a seleção da Croácia

Rakitic, jogador da Croácia - Patrick Smith - FIFA/FIFA via Getty Images
Rakitic, jogador da Croácia Imagem: Patrick Smith - FIFA/FIFA via Getty Images

Da EFE

14/07/2018 12h56

Classificação e Jogos

Redação Central, 14 jul (EFE).- Ainda que pareça mentira, o meia Ivan Rakitic, um dos pilares da Croácia, finalista da Copa do Mundo, já enfrentou a sua seleção, incluindo alguns dos atuais companheiros que fazem a histórica campanha na Rússia.

- Por que perdemos? Os fatores que contribuíram para a queda da seleção
- Perrengues na Rússia: de motorista dorminhoco a hotel de filme de terror
Copa mostra que árbitro de vídeo pode minar agressões e "malandragens"

O episódio aconteceu em 2005, durante a Eurocopa Sub-17. Na época, o jogador do Barcelona defendia a Suíça, país onde nasceu na pequena cidade de Möhlin.

O pai de Rakitic, Luka, emigrou para lá antes do início da Guerra dos Balcãs. Ele é natural de Sikirevci, um pequeno povoado croata na fronteira com a Bósnia-Herzegovina, onde também cresceu a mãe do meia, Kata. Ambos deixaram a então Iugoslávia devido à crescente tensão separatista no país.

Desde muito pequeno, Rakitic sempre se interessou por futebol. Era um garoto que vivia com a bola nos pés e chamou a atenção do Basel, que o incorporou às suas categorias de base, de onde também saíram bons jogadores como Granit Xhaka, de origem kosovar, e Breel Embolo, nascido em Camarões. Os dois últimos continuam a atuar pela seleção suíça.

Em 8 de maio de 2005, Rakitic teve que enfrentar o país de seus pais pela terceira rodada da fase de grupos do torneio continental sub-17, disputado na Itália. A Suíça, que tinha como goleiro Yann Sommer, assim como nesta Copa do Mundo, foi goleada por 5 a 2, com destaque para os dois gols de Nikola Kalinic - o mesmo que foi expulso da concentração croata ainda na primeira fase do Mundial da Rússia. Dejan Lovren também esteve em campo.

A história do meia com a Suíça não duraria muito tempo, já que ele teve que decidir por qual seleção principal gostaria de atuar.

"Quando comecei a jogar, não usava a camisa croata. Usava a de meu outro lar, a Suíça. Tenho que ser honesto, nasci na Suíça, cresci na Suíça, fui à escola na Suíça, os meus amigos são da Suíça. Tive orgulho de defender por cinco anos esta camisa quando mais jovem. Mas a maior parte do meu coração pertence à Croácia. Sempre foi assim", declarou Rakitic em artigo no portal "The Player's Tribune".

Em 2007, o ex-jogador Slaven Bilic e o presidente da federação croata de futebol, Vlatko Markovic, visitaram Rakitic e lhe disseram que contavam com ele. O meia refletiu e tomou a decisão, que resultou até em algumas ameaças no país natal. A escolha, no entanto, se mostra agora mais acertada do que nunca. E o tempo de enfrentar o país de coração, definido por ele próprio como uma sensação amarga, ficou para trás.

Croácia