PUBLICIDADE
Topo

Bélgica

Possível rival, Bélgica divide com Brasil problemas físicos de estrelas

Romelu Lukaku, durante vitória da Bélgica contra a Tunísia  - Xinhua/Cao Can
Romelu Lukaku, durante vitória da Bélgica contra a Tunísia Imagem: Xinhua/Cao Can

Do UOL, em São Paulo

30/06/2018 10h19

Classificação e Jogos

O Brasil do técnico Tite perdeu seus dois laterais para lesões musculares em algum momento da primeira fase. Neymar chegou a assustar com dores no pé. Renato Augusto e Fred quase foram cortados. Douglas Costa mudou um jogo, mas não voltou mais a campo com problemas na coxa direita. Ninguém pode ter tido tantos problemas físicos na primeira fase da Copa do Mundo, certo?

Veja a tabela completa, as datas e as chaves das oitavas de final
Simule os resultados e veja como ficam as quartas de final 
Neymar S/A: a engrenagem por trás do maior jogador de futebol do Brasil

Mas a Bélgica chega perto. O time do técnico Roberto Martinez, que pode ser rival do Brasil nas quartas de final, divide com a equipe de Tite as preocupações com músculos e articulações de seus atletas. Até agora, cinco jogadores que seriam titulares sofreram com isso.

Na última rodada da fase de grupos, contra a Inglaterra, o artilheiro Lukaku e os cérebros do time, De Bruyne e Hazard, não entraram em campo. Mertens jogou no segundo tempo, apesar de dores no tornozelo. Era a mesma reclamação de Lukaku – ambos foram substituídos contra a Tunísia, na segunda rodada, por causa disso. Os outros sofriam desgaste físico – o jogador do Chelsea, por exemplo, reclamou de dores nas panturrilhas nas últimas duas semanas.

Sem contar a zaga. Kompany jogou contra a Inglaterra, mas foi sua estreia no torneio. Por seu clube, o Manchester City, ele quase não jogou na temporada, com diversos problemas físicos. Seu companheiro contra a Inglaterra foi Vermaelen, que tem problemas recorrentes na coxa desde que iniciou a preparação.

Sabendo disso, os belgas tomaram algumas medidas inusitadas para a preparação para a Copa. A mais surpreendente delas foi com o colchão. De acordo com o jornal belga HNL, a Bélgica contratou uma empresa para estudar a melhor forma de dar conforto aos seus atletas durante o sono, mapeou seus jogadores e fez dois colchões personalizados para cada atleta. Lembrando: o lateral Marcelo, do Brasil, deixou o jogo contra a Sérvia com dores nas costas e a comissão médica da seleção culpou a mudança de colchões.

O lado físico, aliás, deve ser importante para os belgas nas oitavas. O time joga na segunda-feira (2), às 15h, contra o Japão. A seleção asiática não foi exatamente brilhante até agora no torneio, mas mostrou uma organização tática suficiente para fazer com que Bélgica tenha de correr um pouco mais para furar sua defesa. “Eles sabem pressionar, são um bom time. Não será fácil”, avisou o goleiro Courtois.

Bélgica