PUBLICIDADE
Topo

Portugal

Longe da área, CR7 não decide, reclama bastante e dá adeus à Copa

Olho no telão, reclamação e nada de gols: um retrato da atuação de Cristiano Ronaldo em sua despedida da Copa do Mundo - REUTERS/Hannah Mckay
Olho no telão, reclamação e nada de gols: um retrato da atuação de Cristiano Ronaldo em sua despedida da Copa do Mundo Imagem: REUTERS/Hannah Mckay

Dassler Marques e Pedro Ivo Almeida

Do UOL, em Sochi (Rússia)

30/06/2018 16h55

Classificação e Jogos

Em seu primeiro lance de perigo no duelo deste sábado (30), Cristiano Ronaldo chutou de longe para boa defesa de Muslera. O início deu sinais de que o astro português estaria inspirado para o duelo contra o Uruguai, em Sochi, pelas oitavas de final da Copa do Mundo. Mas não passou disso.

- Assista ao gol de Uruguai 2 x 1 Portugal

Bloqueado pela consistente defesa sul-americana, o craque não mostrou seu lado decisivo. Em seu adeus à Copa do Mundo, atuou longe do gol e acabou chamando mais a atenção pelas inúmeras vezes em que gesticulava para a arbitragem e se olhava no telão do “Fisht Stadium”, na derrota por 2 a 1 para o Uruguai.

Após a partida, Cristiano Ronaldo se mostrou bem-humorado e até deu uma piscadinha, mas não quis conversar com a imprensa. "Já falei lá dentro", limitou-se a dizer, antes de cumprimentar um jornalista português com um abraço.

“Sorte do c...”

Ronaldo só não esperava ser flagrado pelas lentes em momento controverso. No primeiro gol do Uruguai, marcado para o Cavani, comentou sozinho: “sorte do c...”. A imagem rodou o mundo. O atacante latino ainda marcaria novamente depois, tomando para si o protagonismo do duelo.

Também no primeiro tempo, ao menos três marcações de juiz e auxiliares incomodaram o camisa 7. De braços abertos de maneira quase ensaiada, seguia um roteiro: falava com o árbitro e olhava para sua imagem reproduzida no moderno placar. Era assim também em lances onde era o protagonista da disputa de bola. Finalizada a jogada, a vista mirava o telão.

Somente assim Cristiano Ronaldo apareceu em destaque para a torcida. Com a bola rolando, pouco protagonismo. Diante de uma defesa bem postada, o astro do Real Madrid tinha dificuldade para passar da marcação, composta por até três defensores em cada disputa e nem sequer chegava perto do gol de Muslera.

A dificuldade de penetrar a zona do campo onde costuma ser letal incomodava. De todas as suas 24 ações com bola na primeira etapa, nenhuma aconteceu dentro da área uruguaia.

Somente aos oito minutos do segundo tempo Ronaldo, enfim, teve a bola sem seus pés dentro da grande área. Desequilibrado, ajeitou sem querer para Adrién Silva, que chutou em cima da defesa, arranjando um escanteio. Na cobrança, Pepe marcou o gol de empate.

Cavani rouba a cena

Empolgado com a igualdade no placar, Cristiano corria o campo inteiro tentando levar Portugal à virada. Com pressa, até lateral chegou a cobrar. Em vão.

Sem assustar os uruguaios, ainda viu Cavani brilhar mais uma vez do lado oposto. O atacante do Paris Saint-Germain recebeu boa bola na esquerda e, de fora da área, chutou no cato de Rui Patricio para fazer 2 a 1.

Cristiano Ronaldo ajuda Cavani a deixar o campo após lesão - REUTERS/Jorge Silva - REUTERS/Jorge Silva
Imagem: REUTERS/Jorge Silva

Aos 25 minutos, uma cena emblemática. Cavani sentiu dores e começou a mancar. Cristiano Ronaldo correu para ajudá-lo a deixar o gramado. A cena arrancou aplausos do público presente em Sochi.

Vaias e cartão no fim

Com a bola no pé, o desempenho esportivo não conseguia repetir o lado humano. Aos 33 minutos, voltou a aparecer na área sem sucesso: foi desarmado facilmente. Dois minutos depois, nova tentativa em vão. Aos 45, novamente longe do gol, arriscou de fora da área. Nada feito. O desempenho abaixo do esperado rendeu vaias de uruguaios e até russos no estádio em Sochi.

Em sua última aparição em campo, já nos acréscimos, nada de gol. Mais reclamações e um cartão amarelo que o deixaria de fora de uma eventual quartas de final.

No dia em que Lionel Messi foi eliminado com a Argentina, certamente não era a atuação que o vaidoso Ronaldo esperava. Sem conseguir atrair os holofotes para si, deu uma última olhada para o telão e deixou o campo cabisbaixo. 

Com o fim da campanha portuguesa na Rússia, Cristiano Ronaldo soma 17 partidas em Copas do Mundo. Sua primeira convocação para um Mundial foi feita por Felipão em 2006, quando Portugal chegou às semifinais da competição. Desde então, nunca conseguiu repetir esse desempenho. O camisa 7 soma sete gols e todos marcados apenas na fase de grupos.

Portugal