PUBLICIDADE
Topo

França

Jacquin cai no samba após vitória e provoca argentinos do Masterchef

Adriano Wilkson

Do UOL, em São Paulo

30/06/2018 14h17

Classificação e Jogos

O chef Erick Jacquin reuniu os amigos franceses, seu filho e sua mulher em um boteco da zona sul de São Paulo para torcer pela seleção contra a Argentina. Depois de um almoço regado a cerveja, caipiroska, feijoada e charutos, o jurado do Masterchef, da Band, caiu no samba para comemorar a vitória por 4 a 3 e a classificação à próxima fase.

"Chupa, Argentina!", gritava o cozinheiro a cada gol dos franceses.

"Elegância!", censurou um de seus amigos, lembrando que no boteco havia também mulheres e crianças.

"Chupa, por favor", respondeu Jacquin, lançando um sorriso irônico.

- Confira como foi a vitória da França sobre a Argentina
Veja a tabela completa, as datas e as chaves das oitavas de final
Simule os resultados e veja como ficam as quartas de final 
Neymar S/A: a engrenagem por trás do maior jogador de futebol do Brasil

O clima de festa começou já quinze minutos antes do jogo, quando o chef chegou ao "Bar do Giba", em Moema, e estendeu uma camiseta da seleção francesa no balcão. "Alguém quer uma barrinha de cereal?", perguntou Giba, oferecendo uma bandeja cheia de enormes peças de torresmo.

Jacquin sambando - Adriano Wilkson/UOL - Adriano Wilkson/UOL
Imagem: Adriano Wilkson/UOL

Apareceram também outros chefs conhecidos na cidade, como Pascal Valeraux, Fred Frank, Emanuel Bassoleil e seu filho Lucas. Empresários e outros membros da comunidade franco-brasileira transformaram o boteco em um reduto francófono paulistano.

Juntos eles entoaram a "Marselhesa" sincronizados com os jogadores na Rússia. "Eu não gosto de futebol, eu gosto de Copa do Mundo", disse Jacquin antes da partida começar. No dia a dia, ele torce eventualmente pelo Corinthians e já foi algumas vezes a Itaquera. Na França, simpatiza com o PSG. Mas a Copa é diferente. "Adoro esse clima de união internacional que só vivemos durante a Copa."

Jacquin torcendo - Adriano Wilkson/UOL - Adriano Wilkson/UOL
Imagem: Adriano Wilkson/UOL

O cozinheiro disse que convidara o argentino Patrício Díaz, diretor do Masterchef, que se recusou a ver o jogo no meio de tantos franceses. "Imagina, toda a direção do programa é de argentinos. E ainda tem a Paola [Carossela]", dizia Jacquin, planejando mandar mensagens para cada um e provocá-los caso a França vencesse.

O cozinheiro interrompeu a torcida para comer uma feijoada, considerada por ele a melhor da cidade, e tomar uma caipiroska de caju. Também bebeu muita cerveja e fumou charutos. Fez selfies com fãs e vídeos para seu Instagram.

Ao final da partida, com a vitória e a passagem às quartas confirmadas, Giba, o dono do bar, colocou samba para tocar nas caixas de som. Foi a deixa para que o chef francês ensaiasse uns passos desengonçados, equilibrando um copo de cerveja na mão e um chapéu de coringa na cabeça.

"Futebol é igual cozinha", filosofava Jacquin. "Se você coloca um chef muito estrelado, muito metido a bambambam, os outros da cozinha não vão trabalhar bem, porque quem vai ganhar a fama vai ser o chef estrelado. O Brasil não vai longe nessa Copa por causa do Neymar, que quer ser melhor que os outros."

Jacquin e Dudu - Adriano Wilkson/UOL - Adriano Wilkson/UOL
Jacquin e o filho Dudu torceram muito para a França contra a Argentina
Imagem: Adriano Wilkson/UOL

É por isso que ele acredita que os franceses são favoritos na Rússia: "Na França não tem ninguém assim. Estão todos unidos e jogando juntos." Jacquin projetou uma semifinal entre Brasil e França e cravou um placar: "França 3 a 0. Fácil."

Não seria a primeira vez. Vivendo no Brasil desde 1995, ele estava em São Paulo quando os franceses venceram a Copa de 98 com uma vitória sobre a seleção brasileira.

"Estava no restaurante trabalhando", lembrou ele sobre o dia da final. "No primeiro gol, eu gritei 'Vive la France' e foi tudo bem. No segundo eu abri uma Champagne. Um vizinho do restaurante gritou alguma coisa que eu não entendi. No terceiro gol, o vizinho gritou 'Francês, filho da p... Volta pro seu país, viado!'"

Mesmo tendo construído boa parte de sua carreira em cozinhas brasileiras, tendo uma esposa e um filho brasileiros, o cozinheiro diz que não consegue torcer para o time verde e amarelo. "No jogo contra o México, eu venho com um sombrero gigante", provocou ele, se referindo à partida de segunda-feira.

No Twitter, Paola Carosella usou sua conta oficial para responder aos memes que brincavam com ela e Jacquin. "Faz isso não, amigo", brincou.

França