PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Menon


Menon

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Menon: Crespo está mantido. Questão de ética

Conteúdo exclusivo para assinantes
Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

04/10/2021 12h47Atualizada em 04/10/2021 12h54

A diretoria do São Paulo resistiu às pressões de conselheiros corneteiros e resolveu manter Hernán Crespo.

Fez muito bem. No mínimo, por coerência e por uma questão de ética.

No início do ano, o São Paulo deixou claro que trataria o Paulista como uma Copa do Mundo. Valeria todos os riscos. Crespo assumiu os riscos e venceu a Copa do Mundo. E agora, seria demitido? Sabemos que, ao cumprir a tarefa dada, o seu trabalho para o final do ano foi prejudicado.

A opção pelo Paulista fez com que os jogadores não tivessem pré-temporada. Poderiam ter um descanso antes do Brasileiro, o que não ocorreu. Erro feio.

Então, vemos que a opção preferencial pelo Paulista atrapalhou muito no Brasileirão. Muitas e muitas contusões. Potencializada por erros da preparação física, muito exigente.

Não se trata de eximir Crespo de muitos erros. O time não é criativo, só joga pelos lados e está apático.

Também não se trata de defender até o fim a tese de que demissão de treinador é sempre um erro. A de Aguirre foi. A de Diniz não foi. Minha opinião, claro.

A de Crespo seria um erro. Agora, ele começa a ter todos os jogadores recuperados. Agora, pode - e já deveria, reconheço - fazer o time jogar melhor. O futebol competitivo do Paulista pode voltar. Faltam ainda 15 jogos.

E, por fim, qual o sentido de demitir um treinador às vésperas de um clássico?

Crespo é intocável?

Lógico que não. Merece uma análise fria só final do ano. Se aprovado, merece ser o condutor da reformulação do elenco.

Mas, se o time estiver rondando o Z-4, tudo muda. Questão de sobrevivência.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Menon