PUBLICIDADE
Topo

Menon


Neymar e a carretilha fazem bem ao futebol

Menon

Meu nome é Luis Augusto Símon e ganhei o apelido de Menon, ainda no antigo ginásio, em Aguaí. Sou engenheiro que nunca buscou o diploma e jornalista tardio. Também sou a prova viva que futebol não se aprende na escola, pois joguei diariamente, dos cinco aos 15 anos e nunca fui o penúltimo a ser escolhido no par ou ímpar. Aqui, no UOL, vou dar seguimento a uma carreira que se iniciou em 1988. com passagens pelo Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros.

04/02/2020 14h58

Ah, a carretilha... A grande novidade entre os que desejam enquadrar o futebol não tem nada de novo. Até já mudou de nome.

Ela surgiu nos anos 60, com o nome de lambreta. Sua primeira grande aparição foi em 1968, em um jogo entre Santos x Botafogo, na Vila.

O autor foi Kaneko, um ponta direta de 16 jogos e um gol pelo Santos. Passou com a lambreta sobre Carlucci, cruzou para trás e Toninho Guerreiro marcou, de letra. Uma jogada maravilhosa, perdida no tempo.

Neymar tentou dar uma carretilha em Paris. Não deu certo. O juiz pediu que ele maneirasse, Neymar teve uma chilique e nos brindou com a frase "be PATIENT é o caramba" e levou um justo amarelo.

Levanto duas questões:

1) Considerando que o jogador se sinta humilhado, isso justifica uma reação violenta? Eu acho que não. Se reagir com falta, que se cobre a falta. Se a falta for dura, amarelo nele.

As faltas merecem uma gradação. Falta simples, segue o jogo...Falta dura, amarelo. Falta duríssima, vermelho.

O que não pode ser graduado é o drible. Esse pode, esse não pode, esse merece aplausos, aquele, amarelo.

2) Neymar faz a carretilha para driblar ou para humilhar, pergunta o Júlio Gomes.

Muitas vezes é para humilhar, o que pode significar um desvio de caráter. Mas não justifica uma punição, um puxão de orelhas.

Os juízes já se complicam para determinar se houve ou não intenção de se fazer um penal, imagine para determinar se um jogador quis ou não humilhar os outros.

Quem pune Neymar, Kaneko ou Garrincha, está punindo o futebol.

Menon