PUBLICIDADE
Topo

'Surdo', VAR não pode atuar em casos de racismo como o acusado por Neymar

Neymar foi expulso e acusou adversário de racismo em derrota pelo Francês                     - FRANCK FIFE / AFP
Neymar foi expulso e acusou adversário de racismo em derrota pelo Francês Imagem: FRANCK FIFE / AFP
Marcel Rizzo

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Colunista do UOL

14/09/2020 11h16

"VAR pegar a minha "agressão" é mole ... agora eu quero ver pegar a imagem do racista me chamando de "MONO HIJO DE PUTA" (macaco filha da puta)... isso eu quero ver! E aí? CARRETILHA vc me pune.. CASCUDO sou expulso... e eles? E aí ?".

Assim tuitou Neymar, que na noite deste domingo (13) acusou de injúria racial Álvaro González, do Olympique de Marselha, na partida em que o seu PSG perdeu por 1 a 0 pelo Campeonato Francês. O brasileiro foi incisivo nas redes sociais nas acusações, o espanhol rebateu mostrando fotos com colegas negros, mas durante a partida Neymar avisou a arbitragem que teria sofrido o ato racista.

O protocolo do VAR, entretanto, torna a tecnologia "surda". Os profissionais no VOR, a cabine onde estão as telas em que os lances são checados, não podem com base em áudio ou leitura labial chamar o árbitro de campo para sugerir uma expulsão, por exemplo.

"Na questão verbal o árbitro de vídeo não entra. Palavra abusiva, não. Entra na gestual, na verbal não. Já pensaram, conforme disse o [Oscar] Ruiz [ex-árbitro que é instrutor de VAR da Fifa], um jogo Japão x Senegal e um árbitro de vídeo colombiano? Como ele vai saber quem está xingando quem? O árbitro de vídeo não leva em conta o áudio", disse Leonardo Gaciba, chefe de arbitragem da CBF, em um vídeo explicativo do VAR disponibilizado pela confederação.

Portanto, mesmo se o árbitro de vídeo identificou na imagem que González xingou Neymar de macaco na partida deste domingo, ele não poderia ter chamado o juiz de campo para avisar. O que pode acontecer é o árbitro colocar isso na súmula se for avisado pela equipe de arbitragem depois da partida. Desta maneira, González pode responder nos tribunais desportivos e aí sim uma imagem que identifique a fala racista pode ser usada. Mas durante o jogo, via árbitro de vídeo, não.

Neymar foi incisivo nas acusações a González. Durante o jogo avisou a arbitragem e ao fim da partida houve confusão entre os jogadores, com expulsões (inclusive do brasileiro). Nas redes sociais ele disse que se arrependeu de não ter dado um soco no "babaca" e depois reclamou da ineficiência do VAR.

González tuitou dizendo que não é racista e postando foto com colegas negros. Neymar respondeu dizendo que ele não é homem de assumir o erro e que não tem caráter. Finalizou cravando: "racista".

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.