PUBLICIDADE
Topo

Série B - 2019

Kleina deixa renovação de lado e pede para time evitar zona de conforto

Mesmo com a boa campanha, Kleina não está garantido para o ano que vem - Fernando Donasci/UOL
Mesmo com a boa campanha, Kleina não está garantido para o ano que vem Imagem: Fernando Donasci/UOL

Do UOL, em São Paulo

16/10/2013 06h00

Mesmo após a derrota por 1 a 0 para o Icasa nesta terça-feira, o Palmeiras manteve a folga na liderança do Campeonato Brasileiro da Série B. Os oito pontos de vantagem e a boa campanha, no entanto, não são suficientes para garantir a presença do técnico Gilson Kleina no ano que vem. Questionado por parte da torcida, o treinador afirma não estar preocupado.

“Não estou pensando nisso. Se for pensar a cada jogo que eu tenho que ficar, já deviam ter renovado faz tempo. Eu sou líder há quanto tempo? Perder jogo faz parte. Não é uma derrotada que vai decidir isso. Meu maior objetivo é voltar com o Palmeiras, não estou preocupado. Quero subir e deixar na mão dos competentes”. 

Substituto de Felipão, Kleina assumiu o comando do Palmeiras em setembro de 2012 com a difícil missão de evitar o rebaixamento. Não conseguiu, mas se manteve no cargo. Na Série B, o time caminha a passos largos para retornar à elite, mas o treinador pede atenção para evitar o clima de festa.

“Nós fizemos uma pontuação boa, mas não podemos entrar na zona de conforto e achar que tudo está garantido. Enquanto a gente não fizer 68, 71 pontos não podemos relaxar, a não ser que outros resultados nos deem essas condições. Temos que reagir rapidamente”.

O Palmeiras volta a campo no próximo sábado, em Bragança Paulista, contra o Bragantino. Com 24 pontos a disputar, o time alviverde tem 18 pontos de diferença para o quinto colocado e uma vitória deixaria o acesso ainda mais perto. O retorno, porém, deve ser confirmado apenas na partida contra o São Caetano, na 32ª rodada, no retorno da equipe ao Pacaembu. 

"Temos que ver o nosso lado. Precisamos fazer a vitória para que possamos consolidar. Temos 24 pontos em disputa. A derrota tem que servir de lição, e a gente sabe da nossa responsabilidade", finalizou Kleina.