PUBLICIDADE
Topo

Série B - 2019

Kleina se defende para ficar em 2014: "Trabalho muito bem feito"

Para Gilson Kleina, decisão por manutenção será baseada em respeito dos jogadores na hierarquia - Leandro Moraes/UOL
Para Gilson Kleina, decisão por manutenção será baseada em respeito dos jogadores na hierarquia Imagem: Leandro Moraes/UOL

Do UOL, em São Paulo

15/09/2013 06h00

O técnico Gilson Kleina tem contrato com o Palmeiras até o fim de 2013, não sabe se terá o vínculo renovado mesmo se vencer a Série B e nas últimas semanas ouviu cobrança pública do presidente Paulo Nobre. Agora, após o empate com o América-MG neste domingo, o treinador se defende. Para ele, seu trabalho “está sendo muito bem feito”.

“Advogar em causa própria é difícil. Acho que meu trabalho está sendo muito bem feito, está sendo muito sério. Mobilizamos todos os setores, resgatamos jogadores que fazem diferença e estão jogando, estão todos comprometidos”, disse Kleina, referindo-se a atletas como Valdivia e Wesley, que voltaram à equipe. “Os profissionais estão muito inseridos nisso. Mas essa avaliação passa por uma gestão que não cabe a mim. Até o dia 31 de dezembro vamos trabalhar com corpo e alma”, acrescentou o treinador, após o empate que fez a Chapecoense se aproximar do Palmeiras – apenas três pontos separam os clubes.

A cobrança pública a Kleina aconteceu no fim de agosto, quando o Palmeiras foi eliminado pelo Atlético-PR da Copa do Brasil em derrota por 3 a 0. Na ocasião, o presidente Paulo Nobre não garantiu a permanência imediata do treinador – ganharia sobrevida em reunião no dia seguinte – e acusou os jogadores de apatia. A bronca causou reações negativas do zagueiro Henrique e do meia chileno Jorge Valdivia.

Mais tarde, o diretor-executivo José Carlos Brunoro afirmou que Kleina ficaria no Palmeiras até o fim do ano. Em outras ocasiões, a diretoria chegou a dizer que o técnico seria mantido no cargo durante provável campanha na Série A de 2014.

Após o empate nesse domingo, Kleina falou mais sobre a possibilidade de deixar o comando no time no fim do ano e sobre o desejo de permanecer. Para o treinador, a decisão será baseada no respeito dos jogadores pelo trabalho desenvolvido.

“O que pauta a decisão é o respeito do profissional na sua hierarquia. Aqui a gente está trabalhando muito forte. É claro que a gente teve tropeços. Espero que a gente com as vitórias a gente consiga fazer uma equipe mais forte”, disse o treinador.

Após o empate em Belo Horizonte, o Palmeiras jogará na próxima terça-feira contra o Avaí, em Santa Catarina. Para a partida, o elenco fala em recuperar os dois pontos perdidos contra o América-MG.