PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Acusado de racismo, atacante do Vitória nega ofensa e se desculpa em vídeo

Do UOL, em São Paulo

22/10/2017 22h44Atualizada em 23/10/2017 12h06

O atacante colombiano Santiago Tréllez, do Vitória, divulgou um vídeo, na noite deste domingo (22), com um pedido de desculpas ao volante Renê Júnior, do Bahia, e negou que tenha feito afirmações racistas. O jogador rubro-negro teria ofendido o adversário, no duelo entre as duas equipes pela 30ª rodada do Brasileiro, neste final de semana, chamando-o de “macaco”.

“Quero falar sobre aquilo que aconteceu no jogo de hoje. A gente falou muitas coisas. Ele me xingou, eu xinguei. Em nenhum momento, eu quis ofender. Se ofendi ele [Renê Júnior], peço desculpas”, disse o atacante do Vitória, em um vídeo publicado nos canais oficiais do clube na internet.

“Ele [Renê Júnior] é brasileiro, da Bahia, e também queria falar que não chamaria ele de como se está falando. Primeiro, porque eu sou preto. Segundo, [porque] meu pai é preto, ele é rastafári. Em minha família temos muitos pretos. Eu amo ser preto”, complementou o colombiano.

Renê Júnior deixou o campo muito irritado na vitória por 2 a 1 de sua equipe, neste domingo, ante o rival soteropolitano. Ele se queixava de ter sido chamado de "macaco". Na saída do gramado, chegou a ser acompanhado por outros jogadores da equipe rubro-negra que tentaram acalmá-lo.

"O que aconteceu é inadmissível no mundo de hoje, no século que vivemos, mas eu sou maior que isso aí. Não é qualquer palavra que vai me colocar para baixo. Eu queria que eu, meus filhos, e todos os outros negros, fôssemos julgados pela personalidade, e não pela cor da pele", afirmou depois o volante do Bahia, em entrevista coletiva.

Apesar do ocorrido, ele disse que não irá denunciar o atacante do por racismo. "Não vou dar queixa, não. Eu sou maior que isso aí. Para mim, a maior punição vem de Deus.”

Renê Júnior também declarou que o próprio Tréllez pediu desculpas ainda em campo e que outros jogadores do Vitória foram solidários. "Teve mais jogador do Vitória que veio me perguntar o que aconteceu, outros que viram me pediram para não denunciar. Ele próprio me pediu desculpas depois, mas foi o que eu falei, eu sou maior que isso tudo. Bola para frente”.

"Tenho muito orgulho da minha raça, da minha história, de onde eu vim. Não é qualquer palavra que vai me colocar para baixo”, ressaltou o volante.

Esporte