PUBLICIDADE
Topo

Surfe 360°

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Medina, Italo, Filipinho e quem mais? Qual será o time brasileiro em 2022?

Willian Cardoso - WSL
Willian Cardoso Imagem: WSL
Conteúdo exclusivo para assinantes
Thiago Blum

É jornalista esportivo desde 1992, mas acompanha o surfe há quatro décadas. Trabalhou por 19 anos na ESPN e atualmente é editor de esportes do Jornal da Band. Cobriu cinco Copas do Mundo e cinco edições dos Jogos Olímpicos.

Colunista do UOL

23/08/2021 20h01

Nos últimos anos, o Brasil foi o país com o maior número de representantes no WT, principal divisão do mundial.

Em 2021, 11 homens e uma mulher.

Mas como acontece em todas as temporadas, existe rebaixamento e acesso no tour da World Surf League.

Em um primeiro momento, nosso time caiu de rendimento.

Mas como eu disse, em um primeiro momento... e a verdade é que a seleção pode até aumentar.

No masculino, 7 se garantiram na elite. Gabriel Medina, Italo Ferreira e Filipe Toledo estão entre os 5 melhores e vão disputar o título.

No feminino, Tatiana Weston-Webb fechou a temporada regular em 2º, e vai atrás de um título inédito para o país.

Além deles, Yago Dora (9º), Deivid Silva (14º), Jadson André (19º) e Miguel Pupo (23º) também ficaram dentro da bolha dos reclassificados.

Assim como Adriano de Souza. Mas o Mineirinho se aposentou das competições.

Caio Ibelli, Peterson Crisanto e Alex Ribeiro terão que batalhar em outra frente para seguir entre os melhores.

Caio Ibelli - WSL - WSL
Caio Ibelli
Imagem: WSL

Em cena, o 'Challenger Series', circuito "paralelo", que vai classificar doze surfistas pelo ranking masculino e seis pelo feminino.

Serão 4 etapas: Em setembro, US Open of Surfing, de 20 a 26 no famoso píer de Huntington Beach. Em outubro, MEO Pro Ericeira nos dias 2 a 10 em Portugal, e o Quiksilver Pro France de 16 a 24 em Hossegor. Já a última etapa, que fecha a lista de acesso para o CT 2022, será no Havaí, o Haleiwa Challenger, de 25 de novembro a 7 de dezembro na ilha de Oahu.

Para definir as vagas, serão computados três resultados.

Excepcionalmente esse ano, os surfistas poderão incluir como um destes três resultados, a maior pontuação obtida nas etapas do WSL Qualifying Series realizadas até o dia 15 de março de 2020, antes da WSL cancelar todas as competições devido a pandemia do Covid-19.

Jesse Mendes - WSL - WSL
Jesse Mendes
Imagem: WSL

As etapas são limitadas para 96 competidores na categoria masculina e 64 na feminina.

Os top-34 e as top-16 da elite do CT 2021, têm participação garantida.

Mas a maioria dos surfistas que já confirmaram suas permanências entre os top-20 do ranking masculino e as top-9 do feminino, pode preferir não competir. As ausências serão preenchidas por convidados pela WSL, por critérios técnicos.

Entre os "selecionados" da entidade, estão Willian Cardoso, Michael Rodrigues e Jesse Mendes, ex-integrantes da elite.

Também competirão dois e duas surfistas da divisão 'Pro Junior'. Nesta lista, mais um brasileiro: Lucas Vicente, atual campeão mundial da categoria.

Os outros participantes são indicados pelos rankings de cada um dos sete escritórios regionais.

João Chumbinho - WSL - WSL
João Chumbinho
Imagem: WSL

Nesta relação, mais nove surfistas completando o número de 16 brasileiros garantidos para disputar as vagas.

Os também ex-tops Wiggoly Dantas, Ian Gouveia e Silvana Lima. E outros nomes de peso, entre veteranos e jovens: Thiago Camarão, Rafael Teixeira, João Chianca, Weslley Dantas, Samuel Pupo e Edgard Groggia.

Ou seja... éramos 12.... já somos 8... e poderemos aumentar a cota.