PUBLICIDADE
Topo

Saque e Voleio

NOTÍCIA

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Serena domina saque de Halep e marca duelo com Osaka na semi em Melbourne

Reuters
Imagem: Reuters
Alexandre Cossenza

Alexandre Cossenza é bacharel em direito e largou os tribunais para abraçar o jornalismo. Passou por redações grandes, cobre tênis profissionalmente há oito anos e também escreve sobre futebol. Já bateu bola com Nadal e Federer e acredita que é possível apreciar ambos em medidas iguais. Contato: ac@cossenza.org

Colunista do UOL

16/02/2021 06h37

Um começo arrasador e uma pressão enorme nos games de devolução. Serena Williams esteve longe de perfeita e registrou 33 erros não forçados, mas deu o tom da partida contra a número 2 do mundo, Simona Halep, tomando sempre a iniciativa, e dominando com suas devoluções. Assim, a veterana de 39 anos aplicou 6/3 e 6/3 e conquistou uma vaga nas semifinais do Australian Open.

Com sua décima vitória em 12 encontros com a romena, Serena volta a ficar a duas vitórias do sonhado 24º título de slam em simples. Desde que levantou seu 23º troféu, a americana já alcançou quatro finais de slam, mas saiu derrotada em todas. Sua oponente nas semifinais em Melbourne este ano será a japonesa Naomi Osaka, atual número 3 do mundo e campeã do US Open. Elas já duelaram três vezes, e Osaka levou a melhor em duas - inclusive na tumultuada final do US Open de 2018.

Como aconteceu

Desde os primeiros pontos, Serena foi agressiva e esteve com o backhand afiado. Movimentando-se bem como em raras ocasiões desde o nascimento de sua filha, em 2017, a americana esteve bem segura nas trocas de bola mais longas e não se mostrou vulnerável nem quando Halep conseguiu bons ângulos. Rapidamente, a americana conseguiu uma quebra para abrir 2/0.

A romana apostava em trocas mais longas e atacava quando podia - o que não era tanto assim. Mesmo assim, contou com um game errático de Serena para igualar o placar em 2/2. Foi, contudo, o único momento ruim da veterana de 39 anos. A americana voltou ao ataque e quebrou Halep no sexto game para, pouco depois, abrir 5/2. Com mais um game perfeito, fez 6/3 na sequência.


Com um primeiro saque abaixo dos 160 km/h, Halep via-se frequentemente correndo atrás nos ralis desde a devolução de Serena. No set inicial, a romena venceu apenas 57% dos pontos com o primeiro serviço, e o cenário pouco mudou no segundo set.

Halep até saiu na frente - cortesia de um game com três erros não forçados e mais uma dupla falta da americana - mas Serena devolveu a quebra imediatamente. A veterana não conseguiu igualar o placar, cedendo outra quebra e empilhando erros. Nos três primeiros games do set, registrou quatro winners e 13 erros não forçados.

Por outro lado, o saque frágil impedia Halep de aproveitar o momento instável da favorita. Sacando em 3/1, a número 2 do mundo foi quebrada mais uma vez ao jogar uma direita na rede após uma direita vencedora da americana. Com o placar em 3/3, o sétimo game era crucial, e Sera mais uma vez sufocou o serviço Halep. A romena lutou e salvou cinco break points, mas Serena venceu dois ralis espetaculares em sequência para conseguir sua quinta quebra de saque na partida. Depois disso, a americana não olhou mais para trás. Confirmou sem problema para abrir 5/3 e, pouco depois, fechou a conta.

O que significa

Os 24 winners e 33 erros não forçados dizem muito pouco sobre o resultado final porque não mostram o quanto a americana afetou o desempenho de Halep. A romena passou boa parte do jogo usando bolas curtas parcialmente porque esteve pressionada em tempo integral. O melhor número para ilustrar algo nesta terça são os 49% dos pontos vencidos com a devolução, o que é obsceno até para o padrão de Serena. Com Halep registrando uma média de apenas 154 km/h no primeiro serviço (e 130 km/h no segundo), a veterana "jantou" os games de devolução. Por isso, os 33 erros não forçados tiveram pouca influência no placar final. Serena tinha margem para errar.

Há muito a elogiar além das devoluções, mas vale destacar a movimentação de Serena, que vem se defendendo melhor do que nos slams anteriores, e sua consequente capacidade de vencer ralis mais longos. Contra Halep, a americana venceu 16 dos 23 ralis com mais de nove golpes. Nos pontos mais curtos, o duelo foi até equilibrado: 33 a 28 para Serena nos pontos com até quatro golpes e 18 a 16 para Halep nos pontos com cinco a oito golpes.

Osaka, é claro, trará obstáculos diferentes para Serena. A japonesa é uma das poucas tenistas do circuito que saca tão ou mais forte que a americana e, além de se movimentar bem no fundo de quadra, tem a potência que faltou a Halep para se impor ns ralis mais longos. Não por acaso, a japonesa venceu dois dos três jogos anteriores contra Serena.

Osaka domina mais cedo

No primeiro jogo do dia, Naomi Osaka (#3) não teve problemas para despachar a taiwanesa Su-Wei Hsieh (#71) pot 6/3 e 6/2. A partida teve apenas 1h06min de duração e foi dominada pela potência da japonesa, que controlou os pontos, pressionando a rival no fundo de quadra e impedindo que Hsieh usasse ângulos e curtinhas com eficiência. A taiwanesa também não conseguiu repetir o nível de suas atuações anteriores e terminou o jogo acumulando 23 erros não forçados e apenas 14 winners. Osaka disparou 24 bolas vencedores e falhou apenas 14 vezes.

Com a vitória, Osaka alcançou a semifinal de um slam pela quarta vez na carreira. Nas três oportunidades anteriores, terminou conquistando os títulos (US Open/2018, Australian Open/2019 e US Open/2020).

Torne-se um apoiador do blog e tenha acesso a conteúdo exclusivo (posts, podcasts e newsletters semanais) e promoções imperdíveis.

Acompanhe o Saque e Voleio no Twitter, no Facebook e no Instagram.