PUBLICIDADE
Topo

Ceni lidera: veja quem são os goleiros que já marcaram gols no Brasileirão

Rogério Ceni, ex-São Paulo, o goleiro com mais gols na história do Brasileirão - Rubens Chiri/São Paulo FC
Rogério Ceni, ex-São Paulo, o goleiro com mais gols na história do Brasileirão Imagem: Rubens Chiri/São Paulo FC
Rodolfo Rodrigues

Rodolfo Rodrigues é apaixonado por números e estatísticas no futebol. Foi repórter do Lance!, editor da Placar e do prêmio Bola de Prata ESPN e é autor de dez livros sobre futebol.

16/09/2020 04h00

No última final de semana, o goleiro Jean, do Atlético-GO, marcou um gol na vitória sobre o Bahia, seu ex-clube, em Salvador, por 1 x 0. Aos 24 anos, o jogador, filho de outro goleiro, Jean, que defendeu Bahia, Vitória e Guarani nos anos 1990 e 2000, fez o seu primeiro gol na carreira e entrou no seleto grupo dos goleiros artilheiros no Brasileirão.

Desde 1959, com Jean, são 14 goleiros que conseguiram marcar gols na competição. O primeiro dele foi Tobias, ex-Corinthians, que em 1973 marcou um gol pelo Guarani contra o Santa Cruz. Ainda nos anos 70, o argentino Ortiz, ex-Atlético-MG, fez dois gols no Brasileirão de 1976. Já em 1979, Serginho, ex-Vila Nova-GO, fez um gol também.

Depois deles, um goleiro só voltou a marcar em 1996, quando Régis, ex-Paraná, fez um dos gols da vitória sobre o Santos por 3 x 0. No ano seguinte, em 1997, Rogério Ceni, do São Paulo, fez um gol de falta contra o Botafogo, o seu 2º na carreira, dando início a um recorde impressionante. Só pelo Brasileirão, o Mito tricolor marcou 65 gols, sendo 38 de pênalti, 26 de falta e um de bola rolando.

O goleiro Márcio, ex-Atlético-GO, com 8 gols, é o segundo da lista, seguido pelo colombiano Viáfara, ex-Vitória. Entre os goleiros artilheiros em atividade, três estão no Brasileirão de 2020. Além de Jean, do Atlético-GO, estão na disputa ainda os goleiros Éverson (ex-Santos e agora no Atlético-MG) e Wilson (Coritiba).

Você pode me encontrar também no twitter (@rodolfo1975) ou no Instagram (futebol_em_numeros)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.