PUBLICIDADE
Topo

Liga dos Campeões - 2021/2022

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Alisson busca bicampeonato da Champions para 'desafiar' Dida e Julio Cesar

Revelado pelo Inter, Alisson está no futebol europeu desde 2016 - REUTERS/David Klein
Revelado pelo Inter, Alisson está no futebol europeu desde 2016 Imagem: REUTERS/David Klein
Bruno Andrade

Mora em Lisboa desde 2015. Começou a carreira no LANCE! e depois virou correspondente internacional da Goal.com. Atualmente, trabalha também no Maisfutebol e na CNN/TVI, ambos de Portugal - esteve antes no jornal O JOGO e Canal 11.

Colunista do UOL

24/05/2022 12h00

Desde 2016 na Europa, tendo primeiro defendido a Roma por duas temporadas, Alisson vive a expectativa no Liverpool de igualar o feito de Dida, bicampeão europeu com o Milan (2002/03 e 2006/07), e dividir o posto de goleiro brasileiro com o maior número de títulos na Liga dos Campeões. Hoje, está empatado com Julio Cesar, que venceu a competição em 2009/10 com a Inter de Milão.

Campeão em 2018/19, no Wanda Metropolitano, em Madrid, ao vencer o Tottenham por 2 a 0, o camisa 1 dos Reds é uma das principais armas do time comandado por Jurgen Klopp na final do próximo sábado (28), diante do Real Madrid, no Stade de France, em Paris.

"O Alisson tem sido protagonista entre os goleiros brasileiros nos últimos anos, mas não podemos esquecer do Ederson [Manchester City]. O que diferencia um do outro é, de fato, o título da Liga dos Campeões. O mais importante é notar que a nossa evolução é vista pelo sucesso dos grandes clubes europeus", destacou Gomes, ex-goleiro de Cruzeiro, Tottenham, Watford e da seleção brasileira, ao UOL Esporte.

"É muito válido colocar o Alisson como um dos maiores do Brasil na Europa, mas sem esquecer que Dida e Julio Cesar, por exemplo, fizeram história em tempos diferentes. O maior? Pode, sim, se tornar o maior goleiro brasileiro no futebol europeu, mas ainda não é. Está num patamar próximo. Tem muito chão pela frente, a história dele provavelmente vai ser bem mais vitoriosa", completou.

Nas últimas décadas, o Brasil exportou diversos goleiros para o Velho Continente. Um dos primeiros e mais marcantes foi Taffarel, tetracampeão mundial com a seleção brasileira em 1994. Fora do país de origem, o agora preparador de goleiros representou Reggiana, Parma e Galatasaray, onde venceu a Copa da Uefa (atual Liga Europa) e a Supercopa da Uefa, ambas em 2000.

Depois de passagens marcantes por Cruzeiro e Corinthians, Dida veio logo na sequência. Desembarcou de vez na Itália em 2002 e não tardou a fechar o gol do Milan. Foram oito temporadas no clube italiano, onde, no total, ergueu oito títulos oficiais.

Ídolo do Flamengo, Julio Cesar não deixou por menos, também na Itália. Foi o grande destaque de uma Inter de Milão que marcou época, entre 2005 e 2012. Na Europa, atuou ainda por Chievo, Queens Park Rangers e Benfica.

Gomes (PSV, Tottenham e Watford), Doni (Roma e Liverpool), Helton (União de Leiria e Porto), Diego Alves (Almería e Valencia), Neto (Fiorentina, Juventus, Valencia e Barcelona) e, especialmente, Ederson (Benfica e Manchester City) também entram na lista de goleiros brasileiros de destaque no futebol europeu.

"O nosso segredo foi abraçar as oportunidades ao longo dos anos. Fomos, aos poucos, abrindo portas na Europa. O Brasil sempre foi conhecido por exportar grandes jogadores de linha, especialmente atacantes, mas demorou para ser reconhecido pelo grande trabalho feito com os goleiros. É preciso enaltecer o belíssimo trabalho feito pelos nossos preparadores de goleiros no Brasil. A nossa forma de treinar é superior ao formato encontrado na Europa. Felizmente, hoje também somos um grande exportador de goleiros", finalizou Gomes.