PUBLICIDADE
Topo

Marília Ruiz

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Direto dos EUA: Tem Lakers x Celtics nas redes sociais americanas

Marília Ruiz

Tenho 20 anos de jornalismo esportivo: 5 Copas do Mundo, 4 Olimpíadas, muitos Brasileiros, alguns Mundiais e várias Copinhas. Neste blog seguirei fazendo isso: escrevendo sobre futebol. Sem frescura. Sem mimimi. Para versões oficiais dos clubes e atletas, recomendo procurar as assessorias de imprensa.

05/08/2021 14h32

A polarização nas redes não é só Made in Brazil, não.

O nosso Fla x Flu histriônico tem paralelo aqui nos EUA. Não somos só nós os malvadões que ousamos frustrar os mais patriotas e torcemos contra a Seleção, ó vida, ó céus, que pessoas ruins!

Bandeira, hino, militares na reserva, feitos fora do país e potência global, "the land of the free and the home of the brave" tem significado muito mais amplo. Não se trata de comparar "pachecos", mas de fato o patriotismo nos EUA é questão complexa e de Estado.

Isso dito, vocês da imprensa não têm ideia do quipocró internético pós-derrota da seleção feminina de futebol em Tóquio-20 na semifinal e que segue depois da conquista do bronze.

Depois da derrota para o Canadá na semifinal, o perfil da Seleção americana de Rapinoe e cia twittou que o placar era de "cortar o coração", apesar da luta ter sido digna. Também desejou sorte às canadenses na final.

Foi o gatilho para que o Lakers x Celtics* começasse nas redes sociais.

A turma de lado A lamentou a derrota e demonstrou apoio e carinho às atuais campeãs do mundo. Já a turma B, que torceu contra (uma coisa que posso dizer é de fato chocante aqui nos EUA), aproveitou para vociferar e reclamar da postura do time sempre favorito, tantas vezes campeã, com liga forte e jogadoras-estrelas.

Na voz da "influencer" Candace Owes, que se descreve como ativista negra de direita, estrela das redes sociais e autora do best seller "Blackout", as críticas contra as americanas de bronze ganharam muito mais força e foram muito pesadas. Em resposta ao tweet official sobre corações partidos e blábláblá, Owes escreveu (tradução livre e editada): "Não foi nem um pouco de cortar o coração. Rapinoe é um pedaço de lixo, antiamericana, que não representa nosso país em lugar algum. Qualquer pessoa que desrespeita nossa bandeira merece perder."

Não dá para comparar os motivos da polarização - ainda que, sim, a política esteja ligada a ambas. Mas a verdade é que o fenômeno da intolerância e do desrespeito não vê cor de passaporte.

*PS: Lakers x Celtics A rivalidade entre Los Angeles Lakers e Boston Celtics é considerada a maior da NBA.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL